X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

STJD absolve Gabigol e suspende Nino por briga em Fla-Flu


O Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD) absolveu o atacante Gabriel Barbosa, do Flamengo, e puniu o zagueiro Nino, do Fluminense, com uma partida de suspensão. A decisão desta terça-feira foi unânime e cabe recurso.

Os jogadores foram expulsos no clássico entre as equipes no dia 11 de novembro, pela 34ª rodada do Brasileiro. O Fla-Flu terminou empatado em 1 a 1.

O árbitro Wilton Pereira Sampaio relatou que aplicou o cartão vermelho direto aos 50 minutos do segundo tempo após uma peitada de Gabigol em Nino e o revide do atleta do Fluminense que segurou o adversário pelo pescoço. O árbitro ainda informou que Gabigol entrou no campo após o fim do jogo para questioná-lo sobre o motivo da expulsão.

A defesa do atacante disse que ele não é "desleal". "Ele faz uma falta de jogo e, depois dessa falta, o Nino vai na direção do Gabigol. Além disso, não faria sentido o Gabigol com a estatura dele peitar um jogador alto como o Nino. O Gabigol não é um jogador desleal. O pedido é pela absolvição uma vez que não houve peitada", afirmou o advogado João Marcelo.

O departamento jurídico do Fluminense destacou que Nino é "educado e respeitado pelos árbitros". "Nino está no Fluminense desde 2019 e só esse ano teve o primeiro julgamento no STJD e foi advertido. Atleta educado, respeitado pelos árbitros e que sabe ponderar", afirmou o advogado Lucas Maleval.

O relator do processo foi Washington Rodrigues, que afirmou não ter visto peitada no lance. "Depois do fim da partida foi perguntar normalmente ao árbitro. Voto pela absolvição do atleta Gabriel nos dois artigos. Nino pega no pescoço e acho que houve um excesso dentro dos conformes e nada que pudesse gerar duas partidas de suspensão. Aplico uma partida de suspensão", afirmou. O voto de Rodrigues foi acompanhado por outros quatro auditores.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: