X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Sem público, Bangu x Flamengo terá 10 policiais, 6 seguranças e bares fechados

| 18/06/2020 16:54 h

Sem a presença de público no estádio, a bola volta a rolar nesta quinta (18) para Bangu x Flamengo, às 21h, no Maracanã. Em tempos de pandemia, a operação da partida tem números pequenos se comparados aos dos jogos de grande apelo, e todos os detalhes ficaram definidos na quarta (17).

Para garantir a segurança do evento, foram destacados apenas dez policiais. Em jogos com muitos torcedores, este número chega a cerca de 300. Para a limpeza do Maracanã, seis funcionários foram designados para o serviço.

Como as arquibancadas estarão fechadas, os "stewards", seguranças privados que fazem essa contenção dos torcedores, serão só seis. Sem a renda oriunda da bilheteria, a ordem é enxugar os custos ao máximo para que o prejuízo seja minimizado. Os bares estarão fechados.

Antes de a bola rolar, será respeitado um minuto de silêncio para todas as vítimas da Covid-19 e especialmente para o massagista Jorginho, do Flamengo, que faleceu em decorrência da doença.

Os jogadores e demais envolvidos no duelo terão de cumprir protocolo sanitário rígido.

Os times não entrarão mais lado a lado, e cada equipe subirá ao campo separadamente. Também está proibida comemoração em grupo, assim como troca de camisas e de flâmulas.

Em entrevista coletiva on-line realizada na quarta, o zagueiro Rodrigo Caio comentou o fato de a equipe do Flamengo ir a campo sem o apoio vindo da arquibancada.

"Jogar sem torcida te afeta bastante. A questão da TV a gente fica um pouco triste pela questão dos torcedores. Isso foge do nosso controle. Somos profissionais, trabalhamos todos os dias para nos preparar para os jogos. O que mais vai dificultar para nós é a questão da torcida. Jogamos num clube em que a torcida nos apoia muito. A gente precisa ser forte mentalmente para superar todas as adversidades. Isso será um desafio para todos, não só o Flamengo. Todos os clubes que estão jogando em casa estão com dificuldade. As equipes de fora jogam com menos responsabilidade, menos pressão. O Mister vem trabalhando muito a nossa mente nesta questão para que a gente se prepare o máximo possível", disse.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS