X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Sampaoli exige investimentos para ficar e deve deixar o Santos

| 09/12/2019 22:11 h

Treinador do Santos comandou o treino na manhã desta quarta
Treinador do Santos comandou o treino na manhã desta quarta |  Foto: Reprodução / Twitter

Jorge Sampaoli, 59, não deve permanecer no Santos em 2020. A despedida foi sinalizada após quase quatro horas de reunião na manhã de segunda-feira (9), no CT Rei Pelé, entre o técnico argentino, acompanhado de um advogado, o presidente José Carlos Peres e William Thomas, superintendente de futebol do clube.

Sampaoli exige do Santos investimentos que permitam lutar pelo título da Copa Libertadores da América, competição que o clube assegurou vaga direta pela segunda colocação no Campeonato Brasileiro. De acordo com a sua assessoria pessoal, há muita distância entre o projeto esportivo desejado pelo treinador e as condições econômicas do Santos para a próxima temporada. Ele tem pressa por um desfecho.

O Santos gastou quase R$ 80 milhões com 14 contratações neste ano, número considerado, no mínimo, como ponto de partida pelo treinador para investimentos em 2020. Alguns nomes como o peruano Cueva, além dos colombianos Uribe e Felipe Aguilar terminaram o ano em baixa ou foram pouco utilizados.

Mesmo disputando a Libertadores, a proposta orçamentária do Santos, aprovada em 14 de novembro pelo Conselho Deliberativo, prevê movimentação financeira bem mais modesta se comparada a este ano. Serão R$ 249 milhões em receitas, R$ 130 milhões a menos do que em 2019, com estimativa de R$ 379 milhões.

O documento ainda registra R$ 69 milhões em vendas de jogadores, baseado em cálculo de negociações nas últimas temporadas, e não aponta a estimativa de compra de atletas, principal desejo de Sampaoli. Além do reajuste de um projeto esportivo, dirigentes do clube enxergam que a negociação ganhou contornos de dificuldades pelo assédio recente, que gerou competição financeira.

Desde que virou o principal alvo do Racing (ARG), o técnico informou que pleitearia reajuste contratual, com vencimentos superiores aos atuais -só o treinador ganha US$ 2,3 milhões de dólares líquidos anuais (R$ 9,6 milhões). Ele deseja maior reconhecimento, após o desempenho da equipe durante toda a temporada.

Esse não foi o único encontro entre clube e treinador para tentar definir rumos de sua permanência. Outra reunião ocorreu no sábado (7), na véspera da vitória por 4 a 0 diante do Flamengo, na Vila Belmiro, válido pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

O argentino chegou a sugerir atletas ao departamento de análise e desempenho, mas foi informado que o clube ainda precisaria montar uma estratégia financeira para poder atendê-lo. O custo estimado em um ano com atletas que voltam de empréstimo e não têm espaço é de R$ 25 milhões.

Sampaoli ainda é o principal alvo do rival Palmeiras após a demissão do técnico Mano Menezes, no último dia 1º, mas garantiu em seguidas entrevistas que, até então, não abriu conversas com o clube paulista.

"Para mim, hoje os treinadores são objetos que se manipulam. Não chegou nenhuma oferta concreta para mim. Vou avaliar o meu futuro", disse.

A reportagem apurou que o desejo do técnico é permanecer no futebol brasileiro, mas não necessariamente no Santos. Ele está atento às possibilidades do mercado, sobretudo em equipes que possam oferecer um elenco mais competitivo, como é o caso do Palmeiras.

O contrato dele vai até dezembro de 2020, com multa vigente de US$ 2,5 milhões (R$ 10,5 milhões) em caso de rescisão. O clube assegura não ter registrado nenhuma mudança, como a liberação da multa a partir do próximo 1º de janeiro, e que todos os termos aditivos em contrato precisaram passar pelo Conselho.

"Agora, sim, vou começar a pensar no meu futuro. Até ontem [sábado] não pude pensar em nada", afirmou o treinador em entrevista coletiva no domingo (8). "Sou um profissional que sei até onde posso chegar com o que tenho. Tem processos de alegrias e de dores. Foi um dos lugares mais felizes que passei na minha carreira", acrescentou.

O Santos receberá R$ 31,3 milhões de premiação nos próximos dias pelo posicionamento no Brasileiro, mas parte do montante já será utilizado para realizar o pagamento de parte do 13º e duas parcelas de direito de imagem de alguns dos atletas.

Para o próximo ano, o clube não contará com dois titulares: o lateral esquerdo Jorge e o zagueiro Gustavo Henrique. O primeiro anunciou que voltará ao Monaco-FRA, clube que estava emprestado até o fim de dezembro, enquanto o defensor, com contrato até janeiro, afirmou que não permanecerá na Vila Belmiro.

Além deles, o Santos ainda corre riscos com relação a outros titulares como o zagueiro Lucas Veríssimo e o meia-atacante venezuelano Soteldo, um dos principais destaques da equipe na temporada.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS