X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Saiba o que é glicuronídeo de ostarina, flagrada em exame antidoping de Thiago Braz


O atleta brasileiro Thiago Braz, campeão olímpico no Rio-2016 no salto com vara, foi suspenso por doping por 16 meses e está fora da Olimpíada de Paris-2024. A decisão foi comunicada nesta terça-feira pela World Athletics, a federação mundial de atletismo.

Thiago Braz estava afastado provisoriamente desde julho de 2023, quando testou positivo para glicuronídeo de ostarina no exame antidoping. A substância já causou outras penalizações no esporte antes. A jogadora brasileira de vôlei, Tandara, por exemplo, foi suspensa por quatro anos por usar a composição, e o atleta velocista britânico Chijindu Ujah até perdeu a medalha conquistada no revezamento 4x100 dos Jogos de Tóquio-2020, realizados em 2021, por ter o elemento detectado na análise química.

A médica do esporte, Flávia Magalhães, trabalhou como oficial do controle de doping na Copa América de 2019 e nos Jogos Olímpicos do Rio-2016 e explica que a ostarina é utilizada para o tratamento da perda de massa muscular, uma condição chamada clinicamente de sarcopenia.

"(A ostarina) atua na cicatrização de lesões e aumento de massa muscular. É uma droga que não apresenta toxicidade hepática e é ótima para ganho de força e resistência. Por isso, ela serve para um grande número de doenças relacionadas ao envelhecimento", afirma Flávia.

A substância tem efeito anabolizante e promove alterações físicas e psíquicas que contribuem com a melhora do desempenho do atleta. Sendo assim, fere os conceitos de prática justa sem interferências e, por isso, é proibida no esporte.

De acordo com Flávia, a ostarina amplifica a potência de saltos e velocidade, movimentos primordiais na modalidade praticada por Thiago Braz. "(A substância) é mais comum devido aos menores efeitos colaterais e boa ação androgênica, favorecendo aumento de performance esportiva", analisa a médica.

Os atletas podem conseguir efeitos semelhantes aos alcançados com a composição sem infringir as leis esportivas, com acompanhamento nutricional adequado e treinos apropriados para a faixa etária. "Qualquer medicação anabolizante similar é doping no esporte", alerta a especialista.

Thiago Braz tem 30 anos e, com a punição, perde a chance de lutar pela terceira medalha olímpica seguida. O brasileiro foi ouro no Rio-2016 e bronze em Tóquio-2020, e está impedido de competir até 27 de novembro de 2024 (a suspensão provisória é somada na sentença). A defesa solicitou recurso no Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), mas a definição não deve ocorrer antes da próxima edição do torneio.

Além disso, o TAS pode definir uma pena maior ao saltador. A Unidade de Integridade do Atletismo (AIU) alegou que o esportista foi "imprudente" e chegou a pedir uma sanção de quatro anos com a justificativa de que Braz agiu consciente dos riscos. O esportista alega que a violação não foi intencional e ocorreu por "contaminação de suplementos".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: