X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Rio Open tem torneio de tênis em cadeira de rodas em meio ao crescimento da modalidade


Realizado pela primeira vez em dez edições do Rio Open, o Wheelchair Tennis Elite reúne nesta quinta-feira quatro dos melhores tenistas em cadeira de rodas do mundo. O torneio contará com a presença do japonês Shingo Kunieda, dono de 50 títulos de Grand Slam e quatro ouros paralímpicos; dos britânicos Alfie Hewett, atual número 2 do mundo, e Gordon Reid, 5º do ranking; e do brasileiro Daniel Rodrigues, que é top 20 no mundo. A competição acontece em um momento em que o tênis em cadeira de rodas busca se expandir no País.

Daniel é uma das esperanças brasileiras de medalha nos Jogos Paralímpicos de Paris. E vibrou com a chance de mostrar seu jogo para o público do Rio Open. "É um torneio fantástico, e uma oportunidade incrível de mostrar e incentivar o esporte. É o maior ATP da América do Sul e estarmos aqui, com os melhores do mundo, é maravilhoso. Muito bom dizer que estou em casa e que o Brasil está liderando algo assim", declarou nesta quarta-feira, em entrevista coletiva.

Apesar de ser considerado uma potência paralímpica, o Brasil nunca conquistou uma medalha no tênis em cadeira de rodas nos Jogos Paralímpicos. A modalidade, contudo, vem crescendo nos últimos anos e os pódios aos poucos começam a aparecer. No Parapan de Santiago, no ano passado, foram cinco medalhas. E duas delas tiveram Daniel Rodrigues como protagonista, com um bronze em simples e uma prata nas duplas, na qual competiu ao lado de Gustavo Carneiro.

O crescimento do tênis em cadeira de rodas no País não é à toa: ele coincide com um maior investimento da Confederação Brasileira de Tênis (CBT) na modalidade. Uma década atrás, a entidade aplicava apenas os recursos repassados pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), mas nos últimos anos passou a destinar também parte da verba da confederação adquirida com patrocinadores privados.

"Atualmente são cerca de R$ 4 milhões anuais no tênis em cadeira de rodas. Desse total, 2,8 milhões vêm do CPB e R$ 1,2 milhão são da própria CBT, por meio dos nossos patrocinadores", explica o presidente da confederação, Rafael Westrupp. "Todo esse dinheiro é investido diretamente no departamento de tênis em cadeira de rodas. O calendário internacional é totalmente subsidiado pela confederação, com passagens aéreas, logística, hospedagem, transporte terrestre e alimentação. Geralmente, a gente contrata um treinador também."

Além de bancar a participação de atletas brasileiros nos torneios mundo afora, a CBT tem investido na formação de atletas. Segundo Westrupp, a confederação auxilia federações estaduais para a aquisição de cadeiras de rodas e com cursos de capacitação.

"É bem diversificado o investimento, e os resultados começaram a aparecer. Só para fazer um comparativo: em 2019, nos Jogos Parapan-americanos de Lima, nós tivemos uma medalha de bronze. Ano passado, no Parapan de Santiago, foram cinco medalhas. Em termos absolutos, isso dá um crescimento de 400%", compara.

Westrupp agora mira um novo patamar para a modalidade com os Jogos de Paris. "A gente tem como meta classificar sete atletas, que seriam cinco homens e duas mulheres. E, quem sabe, conquistarmos nossa primeira medalha", diz o dirigente. As vagas na Paralimpíada dependem de ranking e posição em torneios internacionais, e serão definidas até o meio deste ano.

Enquanto isso, o presidente da CBT vibra com a realização de um torneio de tênis em cadeira de rodas em meio ao Rio Open, competição de nível ATP 500 e, como tal, a mais importante da América do Sul. "É uma forma de aproximar o público e mostrar que essa também é uma categoria profissional, e que existe toda uma estrutura por trás", ressalta Rafael Westrupp.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: