X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Real Madrid supera o rival Atlético na prorrogação em jogo de três viradas e decide a Supercopa


O Real Madrid vai disputar seu 13º título da Supercopa da Espanha. Nesta quarta-feira, em grande jogo disputado em Riad, na Arábia Saudita, superou o arquirrival Atlético em duelo com três viradas, por 5 a 3, na prorrogação, se garantindo na decisão de domingo. O segundo finalista sai nesta quinta-feira, em duelo entre o Barcelona e o Osasuna, também no Al-Awwal Park.

Depois de sair em desvantagem no placar e virar para 2 a 1, o Real Madrid voltou a ficar atrás do placar no tempo normal, buscando a igualdade em 3 a 3 somente aos 41 da etapa decisiva. No tempo extra, um gol contra de Savic e outro de Brahim Diaz, nos minutos finais, definiram a classificação.

A bola rolou no Al-Awwal Park, na Arábia Saudita, e o público que lotou o estádio acompanhou um grande jogo desde o primeiro minuto, no qual Vinícius Júnior já reclamou de um pênalti. Foram três penalidades pedidas pelos merengues em somente 12 minutos. Uma foi falta clara, mas fora da área e o VAR não pôde revisar o lance. No outro, Rodrygo forçou para cima do marcador.

Com as equipes bastante ofensivas, a bola não demorou para balançar as redes adversárias. Logo aos cinco minutos, o goleiro Kepa voou para salvar o Real Madrid em bela finalização de Samuel Lino. Nem deu tempo de celebrar a defesa mágica. Na cobrança do escanteio, Hermoso apareceu livre para colocar o Atlético em vantagem.

Acostumado a ter defesas duras e intransponíveis, o técnico Diego Simeone comemorou o gol. Mas sabia que não seria fácil segurar o forte e veloz arquirrival. E a vantagem no marcador durou somente 13 minutos. E veio em gol parecido. Cobrança de escanteio, Rüdiger apareceu livre e empatou de cabeça.

Os brasileiros infernizavam a defesa do Atlético. Quando não eram parados em falta, davam enorme trabalho. Vini serviu Rodrygo, mas Oblak espalmou. A pressão do Real surgiu efeito aos 29. Carvajal cruzou da direita, Mendy desviou com sutileza e correu para o abraço.

A pressão mudou de lado e parece não ter sido sentida pelo time colchonero. Foram somente sete minutos em desvantagem. Griezmann recebeu, tirou Modric da jogada com drible desconcertante e bateu cruzado, de fora da área, aos 36 minutos, para novamente deixar o placar igual.

A igualdade permaneceu até o intervalo graças a novo milagre de Oblak. Aos 42 minutos, Rodrygo ia fazer um golaço. O brasileiro deixou o zagueiro no chão dentro da área e bateu. O goleiro salvou com a perna direita antes de segurar a bola quase na risca.

O segundo tempo voltou mais truncado, com as equipes encontrando mais dificuldades para chegar no gol e com diversas jogadas paralisadas com faltas. Em uma delas, cobrada com rapidez, Carvajal apareceu livre dentro da área e obrigou mais uma grande defesa de Oblak. Do outro lado, Gimenez errou o alvo na cabeçada.

Lançado por Carlo Ancelotti no segundo tempo, o alemão Kroos era vaiado a cada toque na bola por reprovar abertamente os jogadores que foram atuar no futebol árabe e também por criticar duramente os regimes totalitários vividos no país e também no Catar, onde foi realizada a Copa do Mundo de 2022.

Parecia, contudo, não se intimidar com os apupos. Nem mesmo quando o Atlético de Madrid buscou a segunda virada na partida. O cruzamento da esquerda buscava o centroavante Morata, que atrapalhou o goleiro do Real. Kepa desviou a bola em cima do zagueiro Rüdiger e ela foi às próprias redes. Mesmo com muita reclamação de falta dos merengues, o lance acabou confirmado.

O Real Madri se abriu e partiu com tudo na busca pela terceira igualdade no jogaço. E ela surgiu aos 41 minutos. Vini Jr. Saiu na cara de Oblak e parou no goleiro, Bellingham bateu no rebote e os zagueiros se jogaram na bola para salvar. Carvajal mandou no ângulo na nova sobra. Os minutos finais foram de sufoco gigante no Atlético, que conseguiu se salvar e mandar o jogo à prorrogação.

Com times desgastados, o tempo extra caminhava para a disputa dos pênaltis, com chances sem perigo e com as defesas se destacando. Até um cruzamento de Carvajal acabar com a terceira virada na partida após mais um gol contra. Joselu tentou desviar de cabeça, aos 11 do 2º tempo extra, mas errou e viu a bola bater no pé de Savic e enganar Oblak. No último lance da prorrogação, com todos na área, Brahim Diaz ganhou na velocidade do goleiro do Atlético e definiu a classificação.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: