X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Presidente da Caixa espera proposta do Corinthians por dívida da Neo Química Arena


O presidente da Caixa Econômica Federal, Carlos Vieira, disse aguardar uma posição do Corinthians para a quitação da dívida da Neo Química Arena. Em entrevista ao portal Poder360, ele revelou que as negociações foram retomadas mas espera uma posição do clube.

"Na realidade, o Corinthians não apresentou concretamente uma proposta. Estamos numa fase de diálogo com eles para encontrar um melhor termo de quitação dessa dívida", afirmou o dirigente da Caixa.

Em 2013, a caixa emprestou R$ 400 milhões para o Corinthians no processo de construção do estádio. Desde então, os valores passaram por juros e correção monetária e o montante da dívida agora supera os R$ 700 milhões.

"Estamos retomando um processo de negociação para que a gente encontre um mecanismo para liberar o estádio, dar a sua garantia, desde que a dívida seja quitada com a Caixa. Temos algumas premissas e modelos de negócios que o Corinthians está avaliando", afirmou Vieira.

Uma tentativa de acordo foi feita pela gestão de Duílio Monteiro Alves. O clube ofereceu um pagamento de R$ 531,5 milhões para quitar os débitos. O dinheiro viria de um repasse da Hypera Pharma, detentora dos naming rights do estádio além de créditos que seriam adquiridos em contratos de Fundo de Compensação de Variações Salariais. A oferta foi considerada inviável.

Na entrevista, ele também falou sobre o Flamengo, que vem mantendo contatos para contar com o apoio da Caixa na construção de um estádio na área do Gasômetro, zona portuária do Rio de Janeiro.

Ao tratar do assunto, Vieira classificou o estágio das negociações como "preliminar para encontrar os termos de interesse comum" e disse que existe um entendimento do banco para avaliar o valor do terreno desejado.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: