X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Pai de Neymar sobre Daniel Alves: 'Para minha família, o assunto terminou'

Anúncio foi feito após Daniel Alves obter soltura provisória do Tribunal de Barcelona


Imagem ilustrativa da imagem Pai de Neymar sobre Daniel Alves: 'Para minha família, o assunto terminou'
Em nota oficial, o pai do craque da seleção brasileira deu a entender que não ofereceu ajuda financeira ao lateral |  Foto: Divulgação

O pai de Neymar se manifestou nas redes sociais nesta quinta-feira para comentar a suposta ajuda a Daniel Alves a pagar a fiança de 1 milhão de euros (R$ 5,4 milhões) para a sua liberdade provisória.

Em nota oficial, o pai do craque da seleção brasileira deu a entender que não ofereceu ajuda financeira ao lateral, como admitiu ter feito anteriormente, e afirmou que estão tentando associar o seu nome e o do filho ao caso.

"Estão especulando e tentando associar o meu nome e do meu filho a um assunto que hoje não nos compete mais", disse o pai de Neymar. "Espero que o Daniel encontre junto à sua própria família todas as respostas que ele procura. Para nós, para minha família, o assunto terminou."

Condenado na Espanha a quatro anos e meio de prisão por estupro, Daniel Alves recebeu autorização do Tribunal de Barcelona para aguardar fora da prisão o trânsito em julgado sob o pagamento de fiança milionária. O trânsito em julgado ocorrerá quando a condenação de Daniel Alves se tornor definitiva e não puder mais ser contestada.

Segundo o jornal catalão "La Vanguardia", o lateral recorreu ao pai de Neymar para arcar com o alto custo da liberação. Anteriormente, no começo do processo, a família do jogador do Al-Hilal e seleção brasileira já havia pago uma multa de 150 mil euros (cerca de R$ 800 mil) como atenuante de pena.

O segundo prazo para o pagamento da fiança expirou nesta quinta-feira. Assim, mesmo que o jogador consiga arrecadar a quantia na data atual, só poderia ser liberado nesta sexta.

A advogada Ester Garcia, representante da vítima, classificou como um "escândalo" a decisão da Justiça da Espanha em conceder liberdade provisória a Daniel Alves e afirmou que vai recorrer. "Parece que está sendo feita justiça para os ricos", disse Ester García, em declarações à rádio catalã Rac 1.

RECURSOS NA JUSTIÇA

A liberdade provisória de Daniel Alves não significa que foi absolvido. Depois da condenação no Tribunal de Barcelona, o caso é avaliado pelo Superior Tribunal da Justiça da Catalunha (STJC) e ainda pode ser avaliado pelo Tribunal Supremo de Madri, órgão máximo da Justiça da Espanha. O mesmo rito processual vale para a acusação do Ministério Público.

Mesmo com a condenação, Daniel Alves ainda tinha prisão preventiva, uma vez que o caso ainda tramita com pedidos de recursos. A legislação da Espanha determina que esse tipo de prisão pode durar até dois anos e o jogador poderia, portanto, ter a reclusão estendida até, no máximo, metade da pena.

Na interpretação do Tribunal, é improvável que se chegue a uma sentença definitiva nesse período. A fiança imposta é consideravelmente maior do que a proposta pela defesa, que ofereceu um depósito de 50 mil euros (R$ 273 mil).

Daniel Alves teve cinco solicitações de liberdade provisória negadas antes da condenação, que alegou risco de fuga. A imprensa da Catalunha considera que uma crise no sistema carcerário do país teria influenciado na decisão do pedido de liberdade provisória para ex-jogador do Barcelona neste momento.

Além da condenação a quatro anos e meio, foi determinado cinco anos de liberdade vigiada após o cumprimento da pena, sendo proibido o atleta se comunicar ou se aproximar da vítima. O crime ocorreu em dezembro de 2022, dias após a participação do lateral na Copa do Mundo do Catar com a seleção brasileira. Ele foi preso no dia 20 de janeiro de 2023, e condenado em fevereiro deste ano.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: