X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Marcelo Teixeira vence eleição no Santos e tem missão de levar time de volta à Série A


Marcelo Teixeira confirmou o favoritismo e foi eleito o novo presidente do Santos. Em votação realizada neste sábado, no Ginásio Athiê Jorge Cury e no salão de mármore da Vila Belmiro, o candidato recebeu 53% dos votos, superando outros quatro concorrentes, e vai comandar o clube entre 2024 e 2026. A primeira missão de Marcelo Teixeira será levar o clube de volta à primeira divisão. O time ficou entre os quatro piores do Brasileirão e amargou, nesta semana, o primeiro rebaixamento de sua história centenária.

Teixeira recebeu 4.762 mil votos, contra 1.378 de Maurício Maruca. Rodrigo Marino (1.073), Ricardo Agostinho (1.011) e Wladimir Mattos (562) aparecem logo atrás. Cerca de 17 mil sócios do Santos estavam aptos à votação. Esta será a terceira vez que Marcelo Teixeira assumirá a presidência do Santos. O advogado Fernando Gallotti Bonavides será o seu vice no próximo triênio.

Após o pleito, Teixeira demonstrou otimismo na retomada do clube à elite do futebol brasileiro e afirmou que vai propor ao conselho deliberativo que a histórica camisa 10 do Rei Pelé, morto em decorrência de um tumor no cólon, em dezembro do ano passado, seja "aposentada" durante a disputa da Série B.

"Enquanto (o Santos) não subir e estar no seu patamar digno, nós não atuaremos com a camisa 10. Em memória e em honra", disse o presidente eleito. "Nós vamos reconstruir o Santos e reconduzir o clube ao seu devido lugar, ao patamar de um clube vencedor, com uma marca forte em nível nacional e internacional."

O presidente eleito assume no dia 1º de janeiro, mas já inicia na próxima semana a transição com atual mandatário Andres Rueda. Em entrevista ao Estadão, Teixeira reconheceu que terá a obrigação de reduzir os gastos do clube, mas não pretende se desfazer dos jogadores por qualquer valor.

O clube tem encaminhado um patrocínio com valores que podem bater os R$ 100 milhões, além da transformação da Vila Belmiro para uma moderna arena com 35 mil lugares, em parceria com a WTorre, e um acerto para mandar jogos no Pacaembu, que será reaberto em janeiro.

Teixeira comandou o Santos pela primeira vez em 1992, ficando até o ano seguinte. Voltou a comandar o clube de 2000 a 2009, quando o clube conquistou o bicampeonato brasileiro (2002 e 2004) e do Paulistão (2006 e 2007). Em 2003, o time da Vila também foi vice-campeão da Copa Libertadores, perdendo para o Boca Juniors na final.

VIOLÊNCIA

Após o rebaixamento do Santos para a segunda divisão, na quarta-feira, o pleito deste sábado foi marcado por tensão e violência. Membros de uma torcida organizada tentaram invadir o local de votação, o ginásio Athié Jorge Cury, na Vila Belmiro. Houve confusão, e a Tropa de Choque da Polícia Militar precisou intervir.

Os integrantes da uniformizada queriam chegar até o atual presidente, Andres Rueda, e o presidente do Conselho Deliberativo, Celso Jatene. Momentos antes da confusão estourar, Jatene tentou conversar com alguns membros da torcida, mas foi alvo de ameaças e xingamentos.

O grupo foi retirado da área em que estava no ginásio, mas pouco tempo depois os torcedores retornaram, tentando abrir o portão do local à força. Uma equipe de seguranças conteve o avanço de quem tentava invadir. A PM conteve os torcedores na área externa. A votação chegou a ser interrompida, mas retornou 40 minutos depois. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP/SP), cerca de 20 torcedores estavam envolvidos. A situação foi controlada e ninguém foi detido. Também não houve registro da ocorrência junto à Polícia Civil.

O rebaixamento foi marcado por tumulto e confusão na Vila Belmiro, após a derrota por 2 a 1 para o Fortaleza. De acordo com a SSP, 11 policiais foram feridos e duas viaturas, danificadas. Seis ônibus e quatro automóveis foram incendiados pelos torcedores, que também avançaram contra os policiais, arremessando garrafas, pedras e fogos de artifício. Ninguém foi preso.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: