X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Justiça desportiva suspende oito jogadores investigados em caso de apostas

Os atletas estão preventivamente afastados por 30 dias devido à Operação Penalidade Máxima


O presidente do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), Otávio Noronha, determinou a suspensão preventiva, por 30 dias, de oito atletas investigados na operação Penalidade Máxima, do Ministério Público de Goiás, que apura manipulação de resultados no futebol brasileiro.

A decisão de Noronha atende ao pedido feito na segunda-feira (16) pela Procuradoria do STJD. O pedido de suspensão foi feito para os seguintes jogadores: Eduardo Bauermann (Santos), Moraes (Aparecidense, ex-Juventude), Gabriel Tota (Juventude), Paulo Miranda (Náutico, ex-Juventude), Igor Cariús (Sport, ex-Cuiabá), Matheus Gomes (ex-Sergipe), Fernando Neto (São Bernardo, ex-Operário-PR) e Kevin Lomónaco (Red Bull Bragantino).

Seis deles foram denunciados pelo MP-GO. A Justiça de Goiás acatou a denúncia e os tornou réus. Kevin Lomónaco e Moraes fizeram acordo de colaboração com o MP e não foram denunciados na Justiça comum, mas continuam sujeitos a punições esportivas.

Leia mais notícias de Esportes aqui

Até a decisão desta terça, os jogadores ainda podiam ser escalados pelos seus clubes. Alguns times, no entanto, já tinham tomado a decisão de suspender contratos ou afastar os envolvidos.

De acordo com o procurador-geral do STJD, Ronaldo Piacente, ainda que não tenha ocorrido julgamento, as provas apresentadas pelo Ministério Público são suficientes para justificar o gancho preventivo.

Na esfera esportiva, os jogadores foram denunciados com base no artigo do CBJD (Código Brasileiro de Justiça Desportiva) que fala em "atuar, deliberadamente, de modo prejudicial à equipe que defende". A pena prevista é de multa de até R$ 100 mil e suspensão de até dois anos. Em caso de reincidência, é possível o banimento do esporte.

Por enquanto, o MP-GO já tornou 15 atletas réus. Outros jogadores são citados nas investigações, mas não foram denunciados.

O que dizem os atletas:

- Lomónaco e Moraes confessaram participação no esquema.

- Bauermann, antes da divulgação das conversas que teve com apostadores, negou "vigorosamente" , em nota, qualquer envolvimento. Depois da apresentação da denúncia do MP-GO, preferiu não se manifestar.

- Em depoimento, questionado sobre o recebimento de dinheiro, Gabriel Tota afirmou: "Não me recordo".

- A assessoria de Paulo Miranda disse em nota que ele "sempre se colocou à disposição para esclarecimentos". Afirmou ainda que o atleta "empregará todos os esforços possíveis para demonstrar sua inocência".

- O advogado de Igor Cariús declarou ao site ge.globo que o dinheiro negociado por ele não foi para manipulação de partidas. "Pode ser" referente a patrocínio de material esportivo, afirmou o advogado, antes de dizer que estudaria o caso para identificar a razão do pagamento.

- Matheus Gomes não se manifestou publicamente.

- A defesa de Fernando Neto afirmou ao UOL que ele é inocente e foi vítima de chantagem. Segundo seu advogado, ele não executou o que foi pedido e devolveu o dinheiro que tinha recebido dos apostadores.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: