X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Jogadores palestinos se esforçam para ir à Copa do Mundo em meio à guerra em Gaza


Palestina e Austrália se enfrentam nesta terça-feira no HBF Park, em Perth, na Austrália, pela última rodada da segunda fase das Eliminatórias Asiáticas para a Copa do Mundo de 2026. As duas seleções estão classificadas para a próxima fase, de 2 de setembro a 18 de novembro de 2025.

A Palestina, 93ª no ranking da Fifa, nunca esteve tão perto de chegar à Copa do Mundo. Como o torneio de 2026 foi inchado e terá 48 seleções, a Ásia terá oito representantes e a Palestina tem uma oportunidade de fazer história.

No meio do cenário da guerra de Israel com o Hamas, em seu oitavo mês, a Palestina tenta chegar à Copa do Mundo. "O que não mata o torna mais forte", disse o meia palestino Mohammed Rashid. "Estamos aqui por uma causa e um objetivo. Quem está no time tem que atuar. Não há outra maneira de fazer isso."

Os dirigentes da Palestina desencorajaram perguntas com teor político nas entrevistas coletivas de imprensa, mas o que acontece em Gaza é assunto recorrente. "Jogar nos dá a chance de levar o nome da Palestina para o mundo inteiro, e a Copa é a maior vitrine para isso", disse Rashid. "O que está acontecendo afeta todo mundo. Você não pode deixar de ser afetado por isso."

Embora a maioria dos membros da Organização das Nações Unidas (ONU) não reconheça a Palestina como país, incluindo os Estados Unidos e a Austrália, a Associação Palestina de Futebol tornou-se membro da Fifa em 1998.

Carinhosamente conhecida como Al Fida'i (Os Guerreiros), a seleção palestina, com um estilo de jogo disciplinado, sofreu apenas um gol em cinco jogos nestas eliminatórias. Isso aconteceu mesmo com a equipe não jogando em casa desde 2019. Os jogos como mandante aconteceram no Kuwait e no Qatar, e os jogadores tiveram que fugir em busca de segurança e procurar ligas no exterior.

"Não jogar em casa é a parte mais difícil", disse Rashid, que joga no Bali United, na Indonésia. "A última vez que jogamos contra a Arábia Saudita em casa, a casa estava cheia. As pessoas subiam em árvores para assistir ao jogo. Tivemos 28 partidas seguidas fora de casa, o que é difícil. Mas estamos sempre jogando para o nosso povo."

Embora os jogadores evitem comentários mais contundentes, a mera existência da seleção é vista como uma declaração política. O presidente da Federação Palestina de Futebol, Jibril Rajoub, teve seu visto negado para entrar na Austrália. Rajoub também é político e presidente do Comitê Olímpico Palestino.

"Quando se trata de futebol, você tenta tirar a cabeça disso", disse Hashid. "Os jogos da Palestina são a única coisa que os palestinos estão assistindo. A única coisa que lhes dá esperança. Para nós, isso é uma grande motivação."

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: