X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Inter planeja retorno ao Beira-Rio em julho e pode ter prejuízo de até R$ 40 milhões


O Internacional quer voltar ao estádio Beira-Rio em julho. Foi o que o clube anunciou nesta terça-feira, em ação de abertura da casa colorada para apresentar o progresso na limpeza e reparos após a enchente que atingiu o Rio Grande do Sul e fez gramado, vestiários e outras dependências ficarem embaixo d'água.

O cheiro da sujeira levada pelo Guaíba ainda é forte no entorno do estádio. A calçada continua marrom, pelo barro que acumulou. A luz pôde ser ligada somente há uma semana. Somente então foi possível fazer testes para apurar os danos. O gasto total para reparos ainda não é conhecido, mas está estimado entre R$ 35 milhões e R$ 40 milhões. "Todo nível 1 do estádio foi afetado. A gente tem seguro que cobre boa parte desse prejuízo", aponta o vice-presidente de Administração, André Dalto.

A previsão inicial de mandar jogos no Beira-Rio era agosto. Agora uma nova estimativa indica julho, mas sem definir em qual semana do mês.

No momento, os abastecimentos de luz e água já estão normalizados. O pior prejuízo foi com equipamentos de informática. A sala da TI fica no primeiro andar. Até o fim de junho, o Internacional espera recuperar o setor. Nesta terça, foram testadas as catracas de acesso. A grama de inverno, replantada no final de maio, já começou a brotar e, em 10 dias, deve estar com condições de jogo.

São 500 colaboradores voltados para a limpeza, que será concluída até o final desta semana. No mesmo prazo, o museu do clube passará por higienização, mas já se sabe que troféus, por exemplo, não foram atingidos, pois ficam no segundo andar. Os sistemas de som e vídeo do estádio ainda estão em avaliação.

O último jogo que o Internacional mandou no Beira-Rio foi em 28 de abril, um empate por 1 a 1 contra o Atlético-GO pelo Brasileirão. Dois dias depois, o confronto contra o Juventude, pela Copa do Brasil, foi adiado pela CBF. A equipe de Caxias do Sul (RS) sequer conseguiu chegar a Porto Alegre devido a deslizamentos em uma rodovia provocados pelas fortes chuvas.

No começo de maio, todos os jogos envolvendo equipes gaúchas nas competições nacionais foram suspensos. Em seguida, a Conmebol também adiou os compromissos de Grêmio e Internacional, pela Copa Libertadores e pela Copa Sul-Americana, respectivamente. Houve discussão sobre paralisação do Campeonato Brasileiro. Duas rodadas acontecem sem os clubes gaúchos. Outras duas foram adiadas para todas as equipes.

Tanto Beira-Rio quanto Arena do Grêmio tiveram água nos gramados. Após o recuo da enchente, o cenário já mostrava que seria impossível praticar futebol nos campos. A retomada colorada foi na Arena Barueri, na derrota para o Belgrano, exatamente um mês do último jogo disputado. Já o Grêmio voltou a campo contra o The Strongest, no estádio Couto Pereira, que tem sido a "casa" do tricolor gaúcho.

PEREGRINAÇÃO COLORADA E ACOLHIMENTO GREMISTA EM CURITIBA

Foram dois jogos que o Inter atuou como "mandante" desde que voltou a jogar. Além da partida contra o Belgrano, o time de Eduardo Coudet buscou a classificação para o playoff da Sul-Americana ao vencer o Delfín no estádio Alfredo Jaconi, do Juventude. Nesta quinta-feira, a equipe recebe o São Paulo pelo Brasileirão, no Heriberto Hülse, em Criciúma, às 20h. O clube também avalia mandar partidas no Orlando Scarpelli, do Figueirense, em Florianópolis.

Ainda que também tenha ficado sem casa, o Grêmio vive uma situação diferente. O time de Renato Gaúcho encontrou acolhimento no Couto Pereira. Torcedores relatam a sensação de estar em um estádio semelhante ao antigo estádio Olímpico, que sediou jogos do clube gaúcho entre 1954 e 2012, antes da mudança para a Arena.

O CEO do Coritiba é Carlos Amodeo. Ele ocupava o mesmo cargo, mas no Grêmio, durante a gestão anterior a do atual presidente, Alberto Guerra. Antes da partida contra o Estudiantes, realizada no estádio paranaense, Amodeo foi até a concentração gremista e reiterou o compromisso em disponibilizar o estádio enquanto for preciso. Outra decisão em solidariedade à equipe foi tomada pelo Botafogo, que decidiu mandar seu jogo contra o Grêmio pelo Brasileirão no estádio Kleber Andrade, em Cariacica (ES).

Os CTs de Grêmio e Internacional também sofreram e ficaram embaixo d'água. Os jogadores colorados têm atividades em outra instalação, o CT de Alvorada, normalmente utilizado pelas categorias de base. Os prédios estão em fase de reconstrução, o que deve terminar em três meses. Nos campos de treinamento, o lodo ainda é retirado.

Já os gremistas treinam nas instalações do Corinthians. O CT Luiz Carvalho foi parcialmente reativado, com funcionamento das áreas médicas e de fisiologia e academia, o que permite o tratamento de jogadores lesionados. Campos e áreas administrativas ainda não têm previsão de retomada. O próximo compromisso do tricolor gaúcho é nesta quinta-feira, 13, contra o Flamengo, no Maracanã.

A enchente que atingiu o Rio Grande do Sul no mês de maio foi a pior da história do Estado. Dos 497 municípios gaúchos, 478 foram afetados. Até o momento, conforme o último boletim da Defesa Civil, atualizado na segunda-feira, 9, 423 mil pessoas continuam desalojadas, e 38, desaparecidas. Ao todo, foram 173 mortes em decorrência da tragédia.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: