X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Fórmula 1 abre nova temporada já pensando no campeonato de 2025; veja guia

Expectativa é de que Max Verstappen estenda seu domínio na temporada 2024


A nova e longa temporada da Fórmula 1 começa neste fim de semana com o GP do Bahrein. Mas os fãs da categoria, pilotos e até as equipes já estão com a cabeça no futuro, vislumbrando 2025. E não somente pela futura ida de Lewis Hamilton para a Ferrari, uma das notícias mais bombásticas da F-1 nos últimos anos. A expectativa é de que Max Verstappen estenda seu domínio na temporada 2024, o que pode gerar um novo campeonato morno, sem concorrência e grandes disputas na pista.

A espera por uma temporada de poucas emoções tem como fundamento o forte desempenho do holandês, com sua Red Bull, nos três dias da pré-temporada. Nem Ferrari e nem Mercedes se aproximaram da atual bicampeã mundial de Construtores. O tricampeão chegou a exibir vantagem de um segundo sobre os rivais nos testes, também realizados no Bahrein.

"Acho que Max Verstappen é o campeão e a Red Bull está dominando o esporte. E o conceito que eles apresentaram esse ano também é uma surpresa. Neste momento, temos que assistir e ver como eles vão desempenhar. Acho que 19 pilotos no paddock estão pensando agora que não vão vencer o campeonato", disse o bicampeão mundial Fernando Alonso após os testes da pré-temporada.

O domínio de Verstappen já cansa parte dos fãs. Na temporada passada, foram incríveis 19 vitórias em 22 etapas. Seu parceiro de Red Bull, o mexicano Sergio Pérez, faturou outras duas. O time austríaco só não venceu uma etapa do calendário - o espanhol Carlos Sainz Jr., da Ferrari, subiu no lugar mais alto do pódio em Cingapura.

Curiosamente, a expectativa de previsibilidade e calmaria ao longo do ano, possivelmente com o tetracampeonato de Verstappen, contrasta com o turbulento período antes do início do campeonato. A primeira bomba foi o surpreendente anúncio de Hamilton na Ferrari, a partir de 2025.

A notícia gerou burburinho justamente pela torcida dos fãs em voltar a ver mais disputas na pistas em 2025. No time italiano, o inglês poderia reeditar a rivalidade com Verstappen, algo que encantou o público ao longo de 2020 e 2021. O dono de sete títulos mundiais vai encerrar uma história de 12 anos com a equipe Mercedes para tentar um novo troféu no ano que vem.

As semanas que antecederam o início do campeonato também tiveram a Red Bull como protagonista. O chefe do time, Christian Horner, foi alvo de uma investigação interna por "comportamento inadequado". De acordo com a imprensa europeia, ele teria enviado mensagens de teor sexual a uma funcionária. Um dia antes do primeiro treino livre da temporada, o time austríaco informou que Horner foi absolvido após apuração interna.

Outro assunto que bagunçou os bastidores da F-1 foi a negativa da categoria para a entrada de uma nova equipe no grid a partir de 2026. Os americanos da Andretti ficaram insatisfeitos com a resposta, mas poderão fazer nova tentativa para 2028.

GRID DA TEMPORADA

Os fãs da F-1 vão ver na pista os mesmos pilotos de 2023, nas mesmas equipes. A "dança das cadeiras" acontecerá somente ao fim do ano, quando vários contratos serão encerrados ou renovados. Alonso, da Aston Martin, será um dos que decidirá o seu futuro. O piloto de 42 anos só tem vínculo até o fim desta temporada.

O campeonato deste ano também será alvo de muitos rumores sobre o futuro do espanhol Carlos Sainz Jr. que perderá sua vaga na Ferrari justamente para Hamilton a partir de 2025. Ao mesmo tempo, já começaram as especulações sobre quem vai substituir o inglês na Mercedes no próximo ano.

De novidade no grid, os fãs verão novos nomes para duas equipes. A AlphaTauri, equipe satélite da Red Bull, agora será apenas RB. E a Alfa Romeo passa a ser chamada de Kick Sauber.

CALENDÁRIO

Mais uma vez, a F-1 tentará emplacar um campeonato de 24 etapas, algo que já tentou nos últimos anos, sem sucesso. Corridas foram canceladas de última hora, impedindo o registro do recorde de provas num ano. Em comparação a 2023, a competição desta temporada terá os acréscimos do GP de Emilia-Romagna, vetado por causa das fortes chuvas no último mês de maio, e do GP da China, fora da categoria desde o início da pandemia.

A categoria manteve o número de seis corridas sprint ao longo do campeonato, novamente incluindo o GP de São Paulo, em 3 de novembro. China, Miami, Áustria, EUA e Catar são as outras etapas com a prova de 100 quilômetros de duração.

MUDANÇAS

A temporada terá poucas mudanças no regulamento. Uma delas atinge o uso das asas móveis. Antes, os pilotos precisavam esperar duas voltas após largada ou relargada do safety car para ativar o recurso. Agora, basta apenas uma volta. O tempo limite para revisões dos comissários de prova também mudou. Os recursos podiam demorar até 14 dias, mas tiveram o tempo reduzido para 96 horas (quatro dias), podendo ter ainda mais um dia extra.

A novidade de maior impacto para as equipes é a elevação do valor das multas. A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) decidiu quadruplicar o valor máximo das punições. O teto, que era de 250 mil euros (cerca de R$ 1,35 milhão), subiu para 1 milhão de euros (R$ 5,4 milhões).

BRASILEIROS

Novamente, o Brasil não terá representantes no grid. Mas continuará com dois pilotos no "banco de reservas": Pietro Fittipaldi, na Haas, e Felipe Drugovich, na Aston Martin. A futura "dança das cadeiras", prevista para o fim da temporada, anima a dupla, em busca da sonhada vaga de titular na categoria.

O País não tem um piloto disputando o campeonato desde a aposentadoria de Felipe Massa na F-1, ao fim de 2017. De lá para cá, o mais próximo disso foi a participação de Pietro em duas etapas na reta final de 2020.

MATÉRIAS RELACIONADAS:

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: