X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Corinthians paga nota fiscal indevida a intermediário do acordo com Vai de Bet


O Corinthians pagou uma nota fiscal (NFS-e) indevida à intermediadora do acordo com a Vai de Bet, patrocinadora master do clube. O contrato prevê o pagamento de 7% do montante líquido de cada parcela do patrocínio, estipulado em R$ 10 milhões, à Rede Media Social Ltda. Em 10 de janeiro, a intermediadora emitiu uma NFS-e de R$ 1,4 milhão, com o dobro do valor que deveria receber. Apesar do erro, a diretoria não pediu o cancelamento da nota e pagou a quantia que cabia à intermediadora. A informação foi publicada primeiramente no UOL e confirmada pelo Estadão, que teve acesso aos documentos. A reportagem entrou em contato com o clube, que não se manifestou.

Ao assinar com a Vai de Bet, o Corinthians fechou o maior acordo de patrocínio do futebol brasileiro. A marca do ramo de apostas que ofereceu R$ 360 milhões para estampar o espaço mais nobre da camisa corintiana por três temporadas. O acordo prevê o pagamento de R$ 10 milhões ao longo dos 36 meses de contrato. Em janeiro, o clube recebeu a quantia e mais luvas de R$ 10 milhões. Segundo o contrato, ao qual o Estadão teve acesso, o valor das luvas cabe exclusivamente ao Corinthians, não podendo ter percentual repassado como comissão.

Com CNPJ ativo desde janeiro de 2021, a Rede Media Social Ltda possui um capital social declarado de R$ 10 mil. A alíquota da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) é de 15%. Assim, o imposto a ser pago por uma nota fiscal de R$ 1,4 milhão é de 210 mil, valor 20 vezes maior do o capital social da intermediadora. A empresa está no nome de Alex Fernando André, mais conhecido como Alex Cassundé, membro da equipe de comunicação de Augusto Melo.

As três primeiras notas fiscais, sendo a primeira com o valor incorreto, teriam sido determinadas por Marcelo Mariano, diretor administrativo do clube, sem a anuência do diretor financeiro Rozallah Santoro. O Estadão entrou em contato com ambos para manifestação. Enquanto o primeiro ainda não respondeu a reportagem, o segundo se limitou a dizer que o assunto será tratado por meio de assessoria de imprensa.

Segundo reportagem publicada na coluna do jornalista Juca Kfouri, no UOL, após os pagamentos da comissão, a Rede Social Media Ltda repassou o parte dos valores por meio de PIX à Neoway Soluções Integradas em Serviços Ltda, empresa com endereço na Avenida Paulista que serviria como laranja. Ao comentar o assunto, o clube afirmou que "O clube destaca que não guarda responsabilidade sobre eventuais repasses de valores a terceiros".

A presença de intermediário na negociação entre Corinthians e Vai de Bet veio à tona recentemente, não sendo citada por Augusto Melo no anúncio com a patrocinadora. Procurada pelo Estadão, a Vai de Bet não se posicionou oficialmente. Uma fonte ouvida pela reportagem declarou, porém, que a empresa é parte mais interessada de todas em cobrar o que está acontecendo para entender a real natureza do intermediário, e que a Rede Social Media Ltda não teve ou tem outro participou de outros acordos com a marca.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: