X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Copa do Mundo Feminina 2023

Jamaica avança na Copa em meio à crise com federação e vaquinha online

Na Austrália e na Nova Zelândia, a Jamaica disputa a Copa do Mundo feminina pela segunda vez em sua história



Imagem ilustrativa da imagem Jamaica avança na Copa em meio à crise com federação e vaquinha online
A seleção da Jamaica avançou às oitavas de final graças à vitória sobre Panamá (1 a 0) e aos empates sem gols contra França e Brasil |  Foto: Reprodução/Twitter/@FIFAWWC

Rebecca Spencer, 32, ainda estava eufórica por ter barrado o ataque de mais uma seleção na Copa do Mundo feminina quando fez um desabafo nesta quarta-feira (2).

"Aqueles acima de nós não acreditam na gente e sempre nos colocam em situações que não queremos passar, mas isso nos dá mais energia para ir bem", afirmou a goleira da Jamaica, eleita a melhor jogadora do empate sem gols com a seleção brasileira, em Melbourne, na Austrália.

Leia mais notícias da Copa do Mundo Feminina 2023 aqui

Foi a terceira vez que nenhuma adversária conseguiu vazar a meta de Spencer no Mundial. Desta vez, o resultado além de eliminar o Brasil da competição já na fase de grupos, ainda garantiu as jamaicanas nas oitavas de final.

A campanha invicta, com cinco pontos somados no Grupo F, ocorre em meio a uma crise entre as jogadoras e a federação local.

Em junho, às vésperas da Copa, as atletas da equipe conhecida como Reggae Girlz publicaram uma carta aberta nas redes sociais para reclamar do planejamento para a disputa do torneio na Oceania. No texto, elas afirmaram que a estrutura oferecida pela entidade era "abaixo da média".

A situação motivou a mãe da meia Solaun, Sandra Phillips-Brower, a criar uma vaquinha online para arrecadar fundos para a formação feminina.

"A viagem para a Austrália em julho de 2023 é uma jornada cara e minha intenção é permitir que tanto a comissão técnica quanto às jogadoras possam focar na competição, levantando fundos para cobrir alguns dos custos dessa incrível aventura", escreveu Sandra no site em que fez a vaquinha.

Até agora, a campanha arrecadou US$ 55 mil (R$ 264 mil). A meta é chegar aos US$ 100 mil (R$ 481 mil).

Na Austrália e na Nova Zelândia, a Jamaica disputa a Copa do Mundo feminina pela segunda vez em sua história. A primeira foi em 2019, na França, quando a equipe caribenha também caiu no grupo do Brasil, mas na ocasião não passou da primeira fase.

Agora, elas avançaram às oitavas de final graças à vitória sobre Panamá (1 a 0) e aos empates sem gols contra França e Brasil.

O adversário no mata-mata será o líder do grupo H, cuja definição acontecerá nesta quinta-feira (3). Colômbia, Alemanha e Marrocos estão no páreo pela primeira posição da chave.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: