X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Capixabas vão encarar desafio na Inglaterra

Grupo formado por competidoras com mais de 50 anos vai representar o Brasil no Mundial de Canoa Havaiana

Marcos Barcelos, do jornal A Tribuna | 22/07/2022 15:57 h

Luciana, Marcia, Karla, Andréa e Vera treinam na Curva da Jurema, em Vitória, para a competição que ocorre no mês que vem
Luciana, Marcia, Karla, Andréa e Vera treinam na Curva da Jurema, em Vitória, para a competição que ocorre no mês que vem |  Foto: Fábio Nunes/ AT
 

Quatro capixabas e duas cariocas com idades acima dos 50 anos fazem parte da equipe que vai representar o Brasil no Mundial de Canoa Havaiana. Elas estão treinando na Curva da Jurema, em Vitória, para a competição  que   acontece de 8 a 16 de agosto no Lago Dorney em Windsor, na Inglaterra.

Karla Capucho, 55, Luciana Coelho, 59, Marcia Amorim,  58, Andréa Leite, 55, Vera Cabral, 62, e Cristiana Gomes, 54,  estão na  modalidade amadora e não vivem por meio do esporte. 

A equipe de seis mulheres, portanto, é formada por professora, jornalista, contadora, arquiteta, oficial de Justiça e médica. 

Para Luciana Coelho, de 59 anos, além de todo o contato com o mar e a natureza que o esporte proporciona, o ambiente competitivo foi fator motivacional para se manter na canoa havaiana por oito anos.

“É muito atraente estar em um ambiente que você pode superar seus limites, se motivar. O desafio é uma motivação para eu estar como competidora”, conta a jornalista.

Para a professora Karla Capucho, de 55 anos, o trabalho em equipe foi o que mais a cativou na canoa havaiana.

“Se não tiver união, zelo um pelo outro, a canoa não anda. A nossa equipe é bem unida e temos carinho e cuidado uma com as outras fora e dentro da canoa”.

De Niterói (RJ), a contadora Marcia Amorim,  58, revela que o esporte mudou a vida dela. Desde quando ela começou a remar, há seis anos, perdeu quase 30 kg.

“Sempre fui uma pessoa focada no trabalho e, por muito tempo, esqueci de cuidar da minha saúde. Por recomendações médicas eu tinha que me cuidar, mas eu não conseguia achar um esporte que gostasse. Até que um dia uma amiga me chamou para remar e, desde então, nunca mais parei”, conta.

A treinadora da equipe, Thassia da Silva Marques, de 37 anos, revela que elas estão encerrando um planejamento de três meses de preparação física, técnica e tática específica para provas de sprint (velocidade), com distâncias de 500 e 1.000 metros.

Segundo ela, a equipe está preparada para competir de igual para igual contra países que são potências no esporte, como a Austrália e a Nova Zelândia.

“Elas estão preparadas para apresentarem o melhor desempenho que elas já tiveram. No estadual, elas apresentaram desempenho melhor que atletas dez anos mais novas que elas”.

SAIBA MAIS 

Único time do Estado

- O Estado será representado no mundial de canoa havaiana, em Londres, pelo time Master 50+ Feminino do Makaira Paddle Club, o único time do Estado no torneio.

- O time que vai para Londres participar do mundial é o atual campeão capixaba na categoria.

- A equipe vai enfrentar as Master 50+ de países como Austrália, Canadá, Reino Unido, Nova Zelândia, Singapura, Estados Unidos, dois times Master 50+ do Brasil  e atletas do Havaí, território dos EUA que  participa como se fosse um país.

- O mundial será disputado de  8 a 16 de agosto de 2022.  

Fonte: Makaira Paddle Club e atletas entrevistadas

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS