X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Esportes

Campeão do mundo no Brasil pela Alemanha vira 'magnata do kebab' e tem fortuna de R$ 1,1 bilhão


Lukas Podolski investiu em tornar-se empresário e deu certo. O atacante campeão mundial com a Alemanha na Copa do Mundo de 2014, no Brasil, é dono de uma rede de restaurantes no país natal. O sucesso o tornou um "magnata do kebab" com quase 30 filiais espalhadas pelo país e fortuna de 207 milhões de euros (R$ 1,1 bilhão).

Kebab é um prato típico da Turquia e de alguns países árabes. É também muito consumido na costa do mediterrâneo e em locais que costumam receber imigrantes turcos, como a Alemanha. Uma possível tradução do termo para o português é "espetinho". Já uma variação tipicamente turca é o döner kebab (espeto giratório, em português). Essa é a versão vendida na rede de Podolski, a Mangal Do¨ner, que tem 27 lojas.

O empreendedorismo de Podolski veio ainda antes dos restaurantes, que começaram em 2018. No ano anterior, ele criou a Ice Cream United, marca de sorvetes com duas lojas na cidade de Colônia, onde o atacante passou a infância. A inspiração para os kebabs veio do tempo em que o jogador esteve na Turquia, quando jogava pelo Galatasaray, de 2015 a 2017.

O patrimônio de 207 milhões de euros inclui o que o jogador arrecadou como jogador. No Arsenal, ele tinha um dos salários mais caros, com 117 milhões de euros (R$ 635 milhões) por semana, segundo o jornal inglês The Sun.

Podolski revelou que os negócios rendem mais do que o que faturava no auge da carreira. "Se olharmos para os números, poderíamos dizer isso", admitiu ao jornal italiano La Gazzetta dello Sport, quando foi questionado sobre isso.

A comparação não precisa ser tão enfatizada, contudo, já que Podolski sequer largou a carreira. Atualmente, aos 38 anos, ele defende o Górnik Zabrze, da primeira divisão polonesa. Apesar de ter vestido a camisa da seleção alemã e ter crescido no país, o atacante nasceu em Gliwice, na Polônia.

O contrato com o clube vai até 2025. Na temporada atual, ele tem três gols e quatro assistências em 20 jogos. O camisa 10 está na equipe desde 2021. "Outras pessoas vão para o campo de golfe depois do treino e ficam lá o dia todo. Eu vendo sorvete, kebab e roupas. Me divirto e todo mundo pode levar alguma coisa para casa", brinca. A cada inauguração, as novas filiais reúnem um público considerável.

A competitividade do campo é levada para os negócios. Podolski defende que o Mangal Döner oferece comida de alta qualidade e preço razoável. Para enaltecer o serviço, ele ironizou uma das mais famosas redes de fast food. "Em um McDonalds, você pega o cardápio e vai pagar tanto quanto ou até mais que nos meus restaurantes. Mas a comida deles é uma m... falta qualidade", disparou.

CAMPEÃO DO MUNDO E 3º MAIOR ARTILHEIRO DA ALEMANHA

A estrelada carreira de Podolski tem o auge em 2014, quando ele fez parte do elenco vencedor da Copa do Mundo no Brasil. Ele entrou em campo apenas duas vezes, ambas na fase de grupos, contra Portugal e Estados Unidos, mas sem somar sequer 90 minutos de jogo. O atacante não atuou na goleada alemã por 7 a 1 contra o Brasil.

Mesmo assim, foi um dos atletas mais lembrados pelos brasileiros. O alemão ficou encantado com o País e chegou a fazer posts em português para se declarar ao Brasil. Na despedida, ele trajava uma camisa do Flamengo, semelhante a um dos uniformes usados pela seleção alemã naquele ano. Em 2021, ele comemorou o título brasileiro do clube carioca no X (antigo Twitter).

Podolski também jogou as copas de 2006 e 2010. Ele é o terceiro maior goleador da Alemanha, com 49 gols. Na sua frente, estão apenas Gerd Müller, com 68, e Miroslav Klose, com 71. O atacante também tem passagens por Colônia, Bayern de Munique, Inter de Milão, Vissel Kobe e Antalyaspor.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: