search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Escolha de especialistas ocorre com ou sem meritocracia?
Tribuna Livre

Escolha de especialistas ocorre com ou sem meritocracia?

Quando uma pessoa é considerada um especialista? Quantas pós-graduações tem de cursar? Precisa de quantos anos de experiência? Para respondermos a essas indagações, vamos narrar uma história ocorrida na vida real.

Um garoto que morava distante 800 quilômetros do mar tinha o sonho de conhecê-lo. O pai do garoto prometeu levá-lo, nas próximas férias, para conhecer as praias, desde que passasse de ano.

O menino não estava com notas boas. Mas a motivação do estudante foi maior do que as dificuldades, tendo sido aprovado com excelentes notas. O pai do jovem não mediu esforços para cumprir o prometido.

Quando a família chegou ao litoral, o garoto desceu do carro, sem colocar roupas apropriadas, correu afoitamente até a praia, molhou os pés e as mãos na espuma da água e saiu correndo e gritando: “eu conheço o mar, eu conheço o mar!”. Até que esbarrou em um pescador de mais de 70 anos de idade, que disse: “Eu também conheço o mar”.

Nessa história, podemos dizer que o garoto e o pescador conhecem o mar. Mas eles têm o mesmo nível de conhecimento do mar? Claro que não!

O menino conhece há alguns minutos, e o pescador por mais de 70 anos, além de ter recebido treinamentos, instruções, orientações de toda a família e comunidade de pescadores.

Qual é a essência da história? Para ser um especialista, não basta apenas molhar os pés no mar. É preciso experimentá-lo, vivenciá-lo por longos anos.

Algumas teorias, apesar de controversas, apontam que, para ser um especialista o indivíduo tem de praticar a atividade por pelo menos 10 mil horas. Salvo os casos de notório saber, o profissional tem de estudar, fazer pós-graduações e estar sempre se aperfeiçoando.

Trazendo o tema para o contexto prático, será que as funções públicas e privadas de especialistas estão sendo exercidas por garotos que molharam os pés na espuma do mar ou por pescadores de mais de 70 anos de profissão?

Será que nossos diplomatas, ministros de Estado e demais cargos públicos, especialistas de empresas privadas são todos pescadores com suficiente experiência ou são garotos que acabaram de se molhar no mar?

Será que, ao termos poder de decisão, escolhemos um verdadeiro especialista ou preferimos alguém que tem conhecimentos bem mais restritos da área, a quem priorizamos por razões pessoais?

Essa indagação é necessária, pois não é raro vermos a prática de nepotismo, apadrinhamento, influência de grupos sociais, “jeitinho”, “toma lá, dá cá”, viciando e corrompendo o processo de nomeação de cargos de especialistas.

Embora essas condutas e práticas não sejam ilegais, para alguns nem imorais, são extremamente prejudiciais, pois ferem os princípios da meritocracia e comprometem o desenvolvimento econômico e social da nação.

Então, se almejamos nos projetarmos como uma economia sólida e forte, é melhor ficarmos atentos e vigilantes para não permitir esse tipo de prática e muito menos reproduzi-la. Que os cargos públicos sejam ocupados por especialistas competentes!

Arildo Hungarato é mestre em Contabilidade e professor.

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Tribuna Livre

A Ufes e o começo de uma nova gestão

A Universidade Federal do Espírito Santo é um patrimônio de suma importância para a sociedade. De forma inusitada, coube-me, a partir do dia 23 de março, assumir o cargo de reitor desta instituição, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Covid-19 e as incertezas sobre os impactos da pandemia no Brasil

Quedas nas bolsas de valores, aulas suspensas, comércios fechados, eventos cancelados, trabalhadores em casa, governos decretando “estado de calamidade pública”, órgãos públicos fechados, recomendaçã…


Exclusivo
Tribuna Livre

Células muse, uma promissora descoberta da medicina

A fórmula da juventude ainda não foi encontrada, e a cura para inúmeras doenças é um desafio para a ciência. Mas podemos dizer, com certeza, que o caminho para isso já está sendo desbravado. …


Exclusivo
Tribuna Livre

Superar o medo e a ansiedade associados ao coronavírus

O medo do coronavírus tomou conta do mundo, enquanto escrevo esse texto quase 650 mil casos foram confirmados e 30 mil pessoas mortas por causa da Covid-19. Nesse artigo, explicarei de onde vem a …


Exclusivo
Tribuna Livre

Uso da neurociência para ter faturamento em meio à crise

A economia já está sendo duramente afetada pela pandemia da Covid-19. As medidas de isolamento social, implementadas pelas autoridades sanitárias, exigem do empresário uma nova postura frente ao seu …


Exclusivo
Tribuna Livre

Crimes que ocorrem e podem ocorrer em tempos da Covid-19

Visando criar mecanismos para o enfrentamento da emergência de saúde pública de relevância internacional decorrente do coronavírus – Covid-19 –, que recentemente se alastrou no território brasileiro, …


Exclusivo
Tribuna Livre

Moradias dignas no meio de uma pandemia

O caos social em que estamos imersos no momento suscita em mim, como arquiteta e também cidadã, uma inquietude acerca de moradias e suas tipologias. Faz-se necessário repensarmos nos aglomerados …


Exclusivo
Tribuna Livre

Virtudes na virtualidade em tempos de isolamento social

O isolamento geográfico é um dado desta realidade virótica. Mas o isolamento social não precisa nem deve ser de total insulamento. Isso porque, vida virtual é vida real, apesar de não presencial. A …


Exclusivo
Tribuna Livre

Marinho, um rio capixaba de história pouco conhecida

Pouco conhecida dos capixabas é a história e a importância do Rio Marinho para o Espírito Santo. Desde o século XVIII, quando da chegada dos padres jesuítas que promoveram a sua ligação, através de …


Exclusivo
Tribuna Livre

O direito à liberdade em tempo de coronavírus

Essa noite eu tive um sonho de sonhador maluco que sou, eu sonhei com o dia em que a Terra parou, disse Raul Seixas, junto com Claudio Roberto, na composição da música “O dia que a Terra parou”. …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados