search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Esclarecido o massacre dos elefantes na África

Notícias

Publicidade | Anuncie

Internacional

Esclarecido o massacre dos elefantes na África


 (Foto: Reprodução/Elephants Without Borders)
(Foto: Reprodução/Elephants Without Borders)

O mistério envolvendo as centenas de elefantes encontrados mortos em Botsuana, no Delta do Okavango, Norte de Botsuana, região popular entre os turistas, foi finalmente solucionado. As informações são do jornal Isto É.

Em um anúncio feito nesta segunda-feira (21), o governo afirmou que os animais foram vítimas de uma cianobactéria produtora de neurotoxinas.

“As mortes ocorreram por envenenamento devido a uma cianobactéria que se desenvolveu em pontos de água”, explicou Mmadi Reuben, veterinária do Ministério da Vida Selvagem e Parques Nacionais, à imprensa.

Botsuana fica localizado entre Zâmbia, Namíbia e África do Sul. Sem costa marítima, o país abriga cerca de 130 mil elefantes em liberdade, o que representa um terço da população africana desses mamíferos. Mais de 300 deles foram encontrados mortos desde março.

A possibilidade de terem sido vítimas da caça furtiva foi descartada, uma vez que os animais foram encontrados com as presas intactas. O antraz ou doença do carbúnculo, como é conhecido, também foi descartado pelas autoridades.

As mortes pararam no final de junho pararam em junho, época que coincidiu com o esgotamento desses pontos de água, disse Mmadi Reuben.

Exames de sangue foram realizados em laboratórios especializados da África do Sul, Zimbábue e Canadá, para tentar descobrir a causa e os resultados apontaram a cianobactéria, produtora de neurotoxinas, como causa desta alta mortalidade. Mesmo com o mistério solucionado, a investigação sobre a cianobactéria continua, disse o governo do país africano.


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados