X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

“Sou uma estrela carente”, diz Marisa Orth

| 17/03/2021 16:20 h

Antes da pandemia, Marisa Orth estava no teatro, soltando a voz no musical “Sunset Boulevard”. Isso, ela acredita, a preparou para a saudade dos palcos e do público.

Mas, agora, após mais de um ano de pandemia, a Divina Magda confessa que está desesperada! “Eu estou quase subindo na janela de casa para dar um show ou fazer uma peça”, conta ela ao AT2.

Marisa: "O humor serve para criticar, descontrair, rir de si, ri um do outro. Eu acho que é Deus entre nós".
Marisa: "O humor serve para criticar, descontrair, rir de si, ri um do outro. Eu acho que é Deus entre nós". |  Foto: Globo/Estevam Avellar

“Teve um esquete do 'Zorra' que dizia: 'Olha, vem ver uma estrela carente', 'não é uma estrela cadente?', 'não, é uma estrela carente mesmo'. Está na varanda cantando. Então, é isso aí. Sou uma estrela carente hoje. Estou desesperada de saudade do público. Desesperada”, completa.

Aos 57, a esperançosa deusa da comédia não vê a hora de voltar a seu “habitat natural” com os amigos artistas. “Acho que a gente vai ver momentos artísticos muito lindos, não somente meu. Eu também estou com muita saudade de ver os meus colegas. Acho que vai ser muito bonito o renascimento de tudo isso quando passar a pandemia”, prevê.


“Eu me sinto trágica, entende?”


AT2 Está no ar em “Haja Coração”. O que essa mãezona italiana tem a ver com você?

Marisa Orth A Francesca tem a ver comigo sim. Eu tenho ascendência italiana: o meu nome do meio é Domingos, mas era Domenico, que foi mudado no pós-guerra. Eu tenho dois avós, a parte da minha mãe é toda italiana e isso me marcou bastante. E eu sou bastante maternal, gosto de cuidar dos outros. E sou braba também. Acho que eu me identifiquei um pouco com ela, que lembrava um pouco a minha avó.

Dá para explicar a parceria com Miguel Falabella?

Ah, a minha história com o Miguel, pôxa, é tão feliz… Eu aprendi tanto com esse cara e continuo aprendendo. Nós trabalhamos juntos pela primeira vez em 1991. E nós fizemos o “Sai de Baixo”, que foi uma química absurda. A gente aprendeu a trabalhar junto muito bem. Eu dou muita risada com o Miguel, eu admiro muito o humor dele e sei também que ele é muito sério, estressado, nervoso, brabo, exigente, CDF... E eu também sou assim. A gente tem esse mix.

Eu brinco que eu sou famosa um tanto, o Miguel é famoso três tantos, mas nós dois juntos criamos uma terceira coisa, que até a gente fica impressionado com a potência. E, toda vez que ele chamar, eu vou. Sou louca por ele.

Magda é um acontecimento. Como é para você ser uma deusa da comédia?

É muito legal ser a hospedeira de uma personagem como a Magda. Eu acho que virei outra atriz fazendo a Magda. Até hoje o povo xinga: “Aí, você é a maior Magda!”. Ou falam: “Cala a boca, Magda!”. É uma honra, juro para você.

E eu fiz uma grande homenagem a essas mulheres casadas com homens que são bandidos juramentados e não percebem, né? Então, para mim, foi uma honra portar a Magda. E adorei o deusa, hein… (Risos)

Pensava em ser a mocinha das novelas?

Será que algum dia eu pensei em ser mocinha? Primeiro que eu sou grande, né? Eu já seria a moçona das novelas! (Risos) Eu nunca achei que ser mocinha de novelas era para mim. Eu achava que ia ser uma diva da tragédia mesmo. Eu me formei para ser trágica, eu me sinto trágica, entende? Sou muito dramática, sou uma pessoa, muitas vezes, sem humor nenhum. “A Insustentável Leveza do Ser” não é comigo, é com a Magda.

O “Sai de Baixo” lançava críticas à sociedade, não?

Sim, o humor é sempre crítico. Infelizmente, o “Sai de Baixo”, o Caco e Magda continuam extremamente atuais. Homens escroques e mulheres que fazem a louca, fingem que não estão percebendo nada... Isso é o nosso arroz com feijão. Infelizmente.

Fãs dizem que você achou a fonte da juventude. Qual é?

Primeiro, a genética da minha família. É impressionante. Minha avó morreu com 100 anos e você não acredita, tinha uma pele...

Bom, eu bebo com moderação, faço ginástica pra caramba, cuido do cabelo, da minha pele com bons médicos, mas tenho mais a visão da saúde. Não sou daquelas que tomam cápsulas rejuvenescedoras. Mas estamos todos envelhecendo sim, meus amigos, eu sinto avisar a vocês. Isso é um fato. Mas muito obrigada, de qualquer forma.


O QUE ELA DIZ


Conta deletada

“Eu estava entusiasmada com o Réveillon, 2021, era um momento de renascimento, eu queria isso, eu estou vivendo um momento de renovação. Então, falei; 'Ah, vamos dizer que eu estou nascendo este ano, ao fazer a minha conta no Facebook. Aí, eu adorei, porque o aplicativo perguntou: 'Você confirma que tem menos de um ano de idade?'. Porque um bebê escreveria 'sim'. Aí, eu escrevi 'sim' e pá: 'Sua conta foi cancelada'. Eu não aguentei!”, conta ela, aos risos.

Humor

“O humor é aquele que pode dizer 'o rei está nu'. O humor serve para criticar, descontrair, rir de si mesmo, ri um do outro. Eu acho que é Deus entre nós. É a humildade. O humor é uma baita ferramenta de humildade”.

Filho

“O João está se formando em Cinema e ele tem um talento impressionante. Para a música, para escrever, para tanta coisa... Eu o admiro muito. Ele tem uma maturidade muito inesperada para a idade dele. Em alguns aspectos, ele é bem mais calmo do que eu, ele é bem mais seguro do que eu. E, além disso, eu acho ele lindo!”, afirma a atriz.
 

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS