X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

“Quanto mais sabemos sobre nossos limites, menos infelicidade”, diz Dalton Vigh

| 09/03/2021 14:13 h

Dalton: Cozinhar é um sentimento, um ato de amor. Quando estamos fazendo uma comida, estamos pensando no outro".
Dalton: Cozinhar é um sentimento, um ato de amor. Quando estamos fazendo uma comida, estamos pensando no outro". |  Foto: Divulgação/Michael Willian
Aos 56 anos de idade, o ator e galã Dalton Vigh acredita que olhar para dentro de si e abraçar as limitações é o primeiro passo para ter uma vida mais feliz.

“Quanto mais sabemos sobre nossos limites, menos infelicidade vamos ter na vida”, resume ele, ao avaliar a sua eliminação na primeira semana do “Bake Off Brasil - Celebridades”, reality exibido aos sábados, às 22h30, pelo SBT/TV Tribuna.

Embora tenha interpretado o renomado chef de cozinha René Velmont na novela “Fina Estampa”, Vigh reconhece: “A culinária nunca foi meu forte. Mas aprendi a virar panquecas no ar”, brinca ele na live “Saindo do Forno” .

Mesmo assim, o artista carioca não deixa de destacar que cozinhar é, acima de tudo, um ato de amor.

“Cozinhar é um sentimento, um ato de amor. Quando estamos fazendo uma comida, estamos pensando no outro“, destaca o ator, que, nestes tempos de pandemia do coronavírus, tem se dedicado aos filhos, os gêmeos Arthur e David, de três anos.

“Tenho brincado com os meninos”, conta o intérprete dos personagens Pendleton e Otto em “As Aventuras de Poliana”. E diz que até virou “cabeleireiro” dos pequenos, fruto da relação com a esposa, a atriz Camila Czerkes, 38, com quem está junto há quase 10 anos.

<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/VzolFdhOm-A" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>

E, enquanto o mundo não volta ao normal, Dalton planeja projetos virtuais no teatro. No caso, reencontro com a obra do russo Anton Tchekhov (1860-1904).

“Temos um outro projeto de teatro online de outro texto do Tchekhov, 'O Jubileu', ainda sem data prevista”, adianta o ator, que no início do ano participou da montagem online de “O Urso”.


“Dou banho, cortei cabelo deles”


No ano passado, você chegou a ficar no ar em 3 novelas ao mesmo tempo: “As Aventuras de Poliana” (SBT) e nas reprises de “O Clone” e “Fina Estampa”. Como foi se ver em três trabalhos diferentes?

Dalton Vigh Foi, no mínimo, curioso, já que uma era atual, outra produzida há quase dez anos e o outra há quase vinte. Então, não dá para não ser um pouco nostálgico. Quando eu conseguia assistir sempre acabava me lembrando de momentos nos bastidores, lembrando das pessoas com quem trabalhei, onde eu estava morando. Enfim, é uma viagem no túnel do tempo...

A série “A Divisão”, em que interpreta o deputado estadual Venâncio Couto está disponível no GloboPlay. Como foi participar desse trabalho?

Foi um trabalho intenso e meticuloso, do qual fico muito orgulhoso por poder ter participado. Acho que o personagem me trouxe desafios que me tiraram da “zona de conforto”.

Também gravou o filme “Sem Pai, Nem Mãe”. O que pode adiantar sobre seu personagem? Tem previsão de estreia?

Faço o ex da namorada do protagonista, vivido por Alexandre Nero, um secretário do meio ambiente muito ativo nas redes sociais. Infelizmente, não sei quando será lançado.

Como tem sido a quarentena com os gêmeos?

Tenho brincado muito com os meninos, tento fazer alguns brinquedos tipo telefone com copo e barbante, conserto outros, assisto desenhos com eles, dou banho, cortei cabelo deles... Não que tenha ficado tão bom... (Risos).

Em 2020, você completou 25 anos de carreira e com inúmeros trabalhos na TV, no cinema e no teatro. Que análise você faz de sua trajetória?

Não tenho do que reclamar... Tive muitas oportunidades de trabalho maravilhosas, mas também tive que rejeitar trabalhos que adoraria ter feito por já estar comprometido com outros.

Convivi e contracenei com grandes ídolos e trabalhei com diretores e diretoras que admirava. Então, posso me considerar realizado profissionalmente, mas ainda com muita lenha para queimar.

Já disse que gostaria de ter investido também mais em alguns projetos autorais e antes não teve tempo. Tem planos de produzir trabalhos assim?

Penso em produzir teatro e cinema, e já tenho algumas ideias de projetos para TV.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS