X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Entretenimento

Molejo nega proibição de uso do nome após morte de Anderson Leonardo


O Molejo emitiu um comunicado nesta quinta, 13, negando a informação de que o filho de Anderson Leonardo (1972-2004) teria proibido os membros do grupo de continuar usando o nome da banda após a morte do vocalista, em abril.

"Os herdeiros vem a público esclarecer que não há nenhum tipo de briga ou impedimento do grupo continuar utilizando o nome Molejo", diz o comunicado publicado no Instagram. "Todos os envolvidos, tanto artistas quanto herdeiros, estão em comum acordo."

Nesta semana, um advogado do filho de Anderson, Léo Braddock, deu entrevista ao site Splash afirmando que os membros remanescentes teriam recusado que Braddock herdasse os direitos do grupo de pagode.

De acordo com a reportagem, os membros teriam estudado se desvincular da empresa atual para negociar apresentações e gravações sem responder à Molejo Produções e Eventos, criada por Anderson e herdada pelo filho.

Nas redes sociais, a viúva de Anderson, Paula Cardoso, afirmou que o "legado" do grupo estava sendo "perdendo no meio de tanta sujeira."

Anderson morreu aos 51 anos após um tratamento de câncer, em abril. Foi cantor de grandes hits como Cilada e Brincadeira de Criança.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: