Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

MC Niack: Da depressão ao topo das paradas

| 01/10/2020 13:00 h

A depressão chegou a fazer com que o jovem Davi Alexandre Magalhães de Almeida, mais conhecido como MC Niack, desistisse do sonho de ser cantor de funk no ano passado. Diariamente, ele tinha que lidar com pensamentos negativos que o fizeram deletar seu primeiro canal no YouTube.

Mas, após ir ao psicólogo, o paulista de Ribeirão Preto ganhou ânimo e autoconfiança para encarar a vida. Aos 17 anos, voltou a produzir canções para um novo canal e, em maio, com a ajuda do TikTok e de uma página de memes, emplacou o primeiro sucesso, “Na Raba Toma Tapão”. Logo depois, veio “Oh Juliana”, que atualmente ocupa o topo do Spotify Brasil, à frente de nomes como Anitta e Marília Mendonça.

MC Niack: "A depressão começou numa fase em que eu tinha vida monótona, só criava paranoia na minha cabeça e, inclusive, criei fobia social na época".
MC Niack: "A depressão começou numa fase em que eu tinha vida monótona, só criava paranoia na minha cabeça e, inclusive, criei fobia social na época". |  Foto: Divulgação/Marcos Hermes
“A depressão começou numa fase em que eu tinha vida monótona, só criava paranoia na minha cabeça e, inclusive, criei fobia social na época. Quando já estava melhor, mais confiante em mim, criei outro canal. Recebi críticas, mas não liguei. Tinha convicção de que ia dar certo, e deu”, conta, ao AT2, Niack, que antes trabalhava em fábrica de suplementos.

O sucesso das duas músicas rendeu um contrato com a Warner Music. Pela gravadora, ele divulga amanhã remixes dos hits e, no próximo dia 16, lança a canção “Tremidinha”.

Sem nunca ter pisado num palco, ele também usa o momento de pandemia para se preparar para futuros shows. “Com a Warner, estou tendo um preparo, ganhando mais experiência para atuar nos palcos”.

O QUE ELE DIZ

Nova versão

“Na Raba Toma Tapão”, primeiro hit de Niack, passou por alterações antes de explodir. “Queria fazer uma canção na pegada de música 'de rua', e saiu o primeiro verso: 'o Niack chega, embraza'. Cheguei a lançar uma versão antes, com outro beat, e não andou. Mas não desisti!”, lembra, ao AT2.

“Juliana não existe”

Atualmente, ele está em 1º lugar no Spotify Brasil com “Oh Juliana”, onde canta: “Oh, Juliana / O que tu quer de mim? / Já falei que eu passo o rodo / E não caio em qualquer papim”. “A Juliana não existe. Esse refrão veio do nada, em momento de inspiração”, garante.

<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/Tun92VU2OkU" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>

Sonho internacional

Niack não sonha pequeno. Com o sucesso nacional, ele tem sido procurado por vários artistas para parcerias e anuncia que há uma colaboração com um gringo vindo por aí! “Tenho novas metas, alcançar o público internacional. Estou pensando igual a Anitta”, diz ele, aos risos.

“Meu pai era segurança e minha mãe era doméstica”

AT2 Imaginava que tiraria nomes como Anitta do topo do Spotify?

MC NIACK Não esperava. A proporção que tomou foi muito grande. Foram duas músicas em primeiro lugar no Spotify Brasil!

Ao que atribui o sucesso de suas canções?

Ao TikTok e ao Instagram. Se não fosse a pandemia, com TikTok em alta, tenho certeza que elas não teriam tido essa proporção. Creio que ia acontecer, mas não tão rápido.

Em dois meses que criei meu canal, consegui emplacar “Na Raba Toma Tapão”. A pandemia é ruim porque morreu muita gente, mas acabou me ajudando na carreira.

<iframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/UR7O8IekguY" frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; clipboard-write; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen></iframe>

Como se deu seu relacionamento com a música?

Queria mudar a vida da minha família de alguma forma, então criei um canal no YouTube e comecei a lançar minhas músicas sozinho. Foi aí que encontrei o Léo Memes, que tem um canal de memes, e ele me deu visibilidade.

Sua família te apoiou?

Sempre! Aprendi a cantar com meu pai. Desde pequeno, ele estimulou eu e meu irmão a cantar. Por isso tentei algo na música. É o que amo!

Foi a música que te ajudou a superar a depressão?

Ela foi o divisor de águas na minha vida, para minha saúde mental e financeira. Meu pai era segurança e minha mãe era empregada doméstica. Já consegui tirá-los desses trabalhos e dar uma vida melhor graças à música.

Está pronto para estar sob os holofotes?

Não estava até chegar à Warner. Antes, mesmo estando em uma produtora, me sentia muito sozinho. Alguns dias atrás, até pensei em desistir, porque era muita coisa para processar. Tudo aconteceu muito rápido, mas ouvi a proposta e agora estou aqui.

Você se identifica com a letra de “Oh Juliana”? No momento, quer curtição?

Sim. Estou solteiro, na pista!

O que prepara para depois da pandemia?

Quero fazer um álbum, mas, por enquanto, vamos ficar só nos singles.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS