X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Maria Maya fala sobre o desafio de dirigir estrelas do teatro

| 10/06/2020 18:08 h

Imagem ilustrativa da imagem Maria Maya fala sobre o desafio de dirigir estrelas do teatro
Nesta quinta-feira (11), às 19h, a atriz e diretora Maria Maya, 38 anos, será a convidada da WB Produções para bater um papo sobre direção, com transmissão pelo Instagram @wb_producoes. Filha do diretor Wolf Maya, Maria assina a direção da peça “Através da Íris”, protagonizada por Nathalia Timberg, 90. Em conversa com o Tribuna Online, Maria conta que essa é sua estreia nas lives e está animada para viver essa experiência. “É a minha primeira experiência em lives. Estou superanimada e acho que vai ser uma ótima oportunidade de diálogo nestes tempos de isolamento social”, diz. Confira o bate-papo: Tribuna Online: Você fará live sobre direção, algo que está familiarizada desde criança... Maria Maya: Nunca tive mestres. Minhas escolhas artísticas se deram a partir das experiências que tive e através das referências que busquei ao longo da minha trajetória. Dirigir é um desafio muito grande, não? Mais que contar uma história, o prazer em dirigir está em encontrar formas de conduzir um ator a descobrir novos caminhos para que esta história seja contada. Isso exige muito psicologismo, confiança e entrega. Os diretores imprimem seu estilo de direção, mesmo em trabalhos bem diferentes. Como define seu traço profissional? Eu sou a favor da pluralidade. Não me apego a uma linguagem estilística única. Quero experimentar todos os formatos de encenação teatral. Inclusive, não vejo a hora de dirigir um musical. Ser filha de um dos grandes diretores brasileiros, Wolf Maya, gera muito expectativa do público? Como vê isso? Acho que somos artistas muito diferentes nas suas especificidades. Então, não há muito esse tipo de cobrança. Dirigir nomes incríveis, como Nathalia Timberg, te dá uma sensação de empoderamento ou a tensão aumenta? Dirigir Nathalia foi mais que uma realização artística, foi a chance de conviver mais intimamente com essa grande artista. Desse encontro, nasceu nosso espetáculo e, mais à frente, faremos nosso documentário. Voltando a falar sobre encontros virtuais, como tem passado por esse período de quarentena? Em algum momento, pensou que não fosse resistir? Acho que essa quarentena veio para ressignificar muita coisa. E toda mudança tem sempre seus momentos de desconforto. Mas o importante agora é preservar a nossa vida e de todos ao nosso redor. Fiquem em casa. Tenham empatia. Já declarou que ama viajar, estar em contato com a natureza, renovando as energias. Sempre teve essa paixão ou é um lance de pouco tempo? A natureza é o lugar ideal para renovar o pensamento para criação. E como está a dupla Gael e Bartô, seus filhotes? Têm sido boas companhias em tempos de confinamento? Meu confinamento não poderia ser melhor, com minha namorada (a atriz Laryssa Ayres, 23 anos) e com meus dois cachorrinhos. Um deles, o Gael, foi adotado em plena pandemia. Já parou para fazer uma reflexão sobre tudo que está acontecendo no mundo? São tantas reflexões, que não paramos para pensar, estamos pensando o tempo todo. Acha que voltaremos diferentes? Já notou mudanças em você? Não tem como não ser diferente. Tivemos tempo suficiente para refletir quais são as reais prioridades da vida. Acredita que, com esse desafio encarado juntos, as pessoas estão valorizando mais o estar junto, o amor? Cada um deve estar passando sua transformação pessoal. Eu estou vivendo a minha, junto da família que escolhi, procurando nos reinventar todos os dias. Em que momento se permite ser extravagante? Na hora de comer.

Serviço


“Direção”
O quê: Bate-papo cultural com a atriz e diretora Maria Maya
Quando: Quinta-feira (11), às 19h
Onde: Com transmissão pelo Instagram @wb_producoes

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS