X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Entretenimento

Letícia Birkheuer desmente ex-marido: 'Meu filho estava, sim, no dia agressão'


Letícia Birkheuer reiterou as acusações de agressão contra o ex-marido, Alexandre Furmanovich, enfatizando que o incidente ocorreu na presença do filho do casal, João Guilherme, no dia 22 de março, em um restaurante da rede Madero, em São Paulo.

Em nota enviada ao Estadão, após a denuncia de agressão feita pela atriz, Alexandre classificou a narrativa da ex-mulher sobre o ocorrido como 'infundada e difamatória' e explicou que a discussão surgiu porque Leticia não cumpriu a determinação judicial sobre as visitas acompanhadas ao filho, João Guilherme.

Letícia desmentiu as alegações de Alexandre, que descreveu o episódio como uma "discussão acalorada" devido à suposta violação de "determinação judicial" por parte da atriz. Contra isso, Letícia afirmou: "A declaração que o pai do meu filho deu, Alexandre Furmanovich, é inverídica. O meu filho estava, sim, no dia da agressão".

A atriz assegurou ter testemunhas e vídeos que comprovam a agressão, além de mencionar um "inquérito aberto" sobre o caso. Ela descreveu a situação como uma ameaça direta de Alexandre, que "me ameaçou dar três tapas na cara e eu não abri a minha boca", e não simplesmente uma discussão, como alegado por ele.

Letícia indicou que essa não foi a primeira vez que João Guilherme presenciou atos de agressividade por parte do pai: "Meu filho correu para o banheiro quando ele me ameaçou dar três tapas na cara. Ele estava visivelmente alterado".

Letícia enfatizou que possui uma medida protetiva contra o ex-marido, indicando um histórico de comportamento agressivo.

Procurado pelo Estadão, Alexandre Furmanovich respondeu com a mesma nota enviada ao jornal na terça-feira, 2.

Nota de Alexandre Furmanovich na íntegra:

"Venho a público, considerando a crescente exposição midiática sobre o caso, me manifestar e esclarecer os últimos acontecimentos.

Há cerca de 11 anos, eu e a mãe do meu filho, Leticia, nos divorciamos e passamos a manter contatos estritamente relacionados à criação, bem-estar e saúde do nosso filho.

Em meados de 2022, por razões absolutamente íntimas e que jamais foram expostas publicamente por mim em respeito a Leticia e ao meu filho, João Guilherme passou a morar comigo em São Paulo.

Recentemente, igualmente em razão de fatos extremamente íntimos, a Justiça determinou que as visitas maternas seriam acompanhadas e assistidas por profissional contratada por mim para este fim.

No dia dos fatos, Leticia descumpriu esta determinação judicial e fui comunicado pela profissional contratada para acompanhar a visita, que Leticia teria dispensado os seus serviços e saído com meu filho sem o acompanhamento determinado pela justiça, além de ter cortado a comunicação que eu mantinha com João via celular.

Não tenho interesse algum em prejudicar, ofender ou lesionar de qualquer maneira a mãe do meu filho.

Minha única preocupação é e sempre foi a integridade física e psicológica de João Guilherme e não medirei esforços para resguardar a saúde do meu filho.

Ao receber a referida mensagem, sem notícias ou contato com meu filho, fui até o local e confrontei Leticia sobre o descumprimento da decisão judicial. Infelizmente, ao confrontá-la, acabamos travando uma discussão verbal acalorada unicamente sobre a ausência da assistente terapêutica no local que, vale frisar, não aconteceu na presença de João, que estava no banheiro.

As demais narrativas de Leticia são inteiramente infundadas e difamatórias. No mais, todo e qualquer assunto relacionado ao bem-estar e proteção do meu filho continuará sendo tratado por mim exclusivamente na Justiça que, ao contrário das redes sociais, é a seara adequada para a resolução de conflitos".

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: