Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

“Há uma cultura machista silenciosa que tentam impor”, diz ator Bruno Ahmed

| 08/03/2021 14:15 h

Desde o nascimento da filha Maitê, o ator Bruno Ahmed tem refletido sobre as desvantagens que as mulheres sofrem na sociedade.
Desde o nascimento da filha Maitê, o ator Bruno Ahmed tem refletido sobre as desvantagens que as mulheres sofrem na sociedade. |  Foto: Divulgação/Lukas Alencar
Ter se tornado pai de menina mudou a perspectiva do ator Bruno Ahmed. Desde o nascimento da filha Maitê, ele tem refletido sobre as desvantagens que as mulheres sofrem na sociedade.

“Percebe-se como há piadas machistas e uma cultura machista silenciosa que tentam nos impor”, ressalta, ao AT2, o artista carioca.

Aos 29 anos, Bruno reconhece: mesmo com pouco mais de um ano de idade, a pequena Maitê ensina novas coisas todos os dias.

“Aprendi a servir mais, ter mais paciência e ser mais empático”, conta o galã, conhecido por interpretar o personagem Enzo em “Malhação - Vidas Brasileiras”.

Maitê é fruto do relacionamento do ator e produtor com a enfermeira obstetra Tatiane Frois.

Eles se conheceram durante o Carnaval de 2013. Depois de um tempo, começaram a namorar a distância - ele no Rio e ela em Belo Horizonte - e estão juntos até hoje.

Porém, essa não foi a única experiência de Bruno nesse tipo de relação. Enzo, em “Malhação”, viveu o mesmo com a personagem Úrsula. “A arte imita a vida e vice-versa”, brinca ele, que, apesar do trio ter ficado junto no Rio durante a pandemia, ainda vive longe da filha e esposa.

“Ainda não vivemos na mesma cidade. Tati precisa encerrar processos da residência em obstetrícia”, encerra.


“Jovens são um bom termômetro”


AT2 Começou no teatro bem novinho. Depois, fez peças publicitárias. Essa bagagem ajudou quando migrou para a TV e o cinema?

Bruno Ahmed Tive experiência com set de filmagem e equipe. Aprendi muito sobre tempo de reação, ganhei experiência com câmera e isso ajudou a diminuir a ansiedade quando fui fazer TV e cinema. Estava mais confiante.

Como foi esse momento e o que mudou na sua carreira?

Foi um momento gostoso. Sabia que podia me tornar conhecido por mais produtores de elenco e diretores. Eu era bem novo e tive meu rosto espalhado no Rio, no horário nobre e era bem legal viajar a trabalho.

Esteve envolvido em produções voltadas para o público teen, como “Malhação”. Jovens são mais exigentes?

Eles são mais intensos, espontâneos, calorosos e fazem mais vista grossa. Ao mesmo tempo, são um bom termômetro do carisma do seu persongem.

Também é dono de uma produtora. Como é o seu trabalho?

Atuar é engrenagem de uma grande máquina. E o produtor é o responsável por pilotá-la. Ele é o primeiro a chegar e o último a sair. É o que vai batalhar do início ao fim para que o projeto seja realizado. Ser produtor é trabalhar para poder atuar ou empregar atores e um monte de profissionais. É uma grande responsabilidade.

Recentemente, teve que trocar de visual e ficar loiro. Como foi essa experiência?

Curti muito o período, fiz alguns trabalhos, tive convites para ensaios fotográficos... A mulherada da família me zoou bastante! Mas depois se acostumou. Até que surgiu outro trabalho e mudei o cabelo.

Há pouco tempo, comemorou o primeiro aniversário da sua filha. Já dá para dizer qual é a personalidade da Maitê?

Uma bebê carinhosa, alegre, de personalidade forte, mas muito divertida. Gosta de brincadeiras, farra... E sua risada é a mais gostosa que já ouvi! (Risos)

Vem mais um artista por aí?

Acho que sim! A mãe dela bota muita pilha. Maitê gosta de fotos, já acostumou a fazer ensaios e é muito fotogênica.

De que maneira educam e estimulam a Maitê?

Com muita paciência, colo, carinho, medindo o tempo de colo, vídeo de internet e jogos lúdicos, de maneira a estimularem o desenvolvimento cognitivo.

Tatiane é enfermeira obstetra. Atuou durante a pandemia?

Sim, trabalha em maternidade, mas não trabalhou diretamente com pacientes com Covid-19. Porém, tinha o risco alto de receber alguma mãe ou pai com o vírus.

Foi um ano puxado, pois a Maitê estava bem pequena e tivemos que adaptá-la na creche. Ao mesmo tempo, ela trabalhava 60 horas semanais. Puxado.

Ela já foi vacinada?

Não foi ainda, pois não está na ativa neste momento, mas, em breve, vai voltar e deve vacinar logo.

Quais os pontos positivos e negativos de dividir a vida com alguém que não é do meio artístico?

Positivos: falar de outros assuntos e prazer em explicar muita coisa. Negativos: não entender como funcionam alguns cronogramas de trabalho.

Tem segredo para manter um relacionamento com alguém que não vive na mesma cidade?

Ih, difícil dizer! Acho que a vontade mútua de se ver. Os dois têm que querer e investir nessas idas e vindas.

O que aguarda para 2021?

Emendar novos trabalhos na televisão e estruturar ainda mais a produtora. Ir para outro patamar na carreira de ator e produtor. Afinal, completei 10 anos de carreira na televisão e estou muito feliz até onde cheguei e animado para dar voos ainda mais altos!

Carreira internacional? Como faria?

Acho que começaria fazendo coisas latinas e buscando uma brecha para algum personagem latino em produção de Hollywood. Sem perder a conexão com o Brasil e com produções sul-americanas. É ganhar nome para globalizar e, se ficar fora do Brasil um tempo, não perder reconhecimento aqui.

Que tipo de filme se imagina fazendo?

Acredito que filmes de ações, do estilo “Velozes e Furiosos”.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS