X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Entretenimento

Feira do livro de Bolonha aborda impactos da IA e tem expectativa de prêmio a Marina Colasanti


A Feira do Livro Infantil de Bolonha começa nesta segunda-feira, 8, com uma programação marcada por debates sobre os impactos da inteligência artificial na produção literária. Ilustradores têm convocado pares para a veiculação de manifestos pela regulação do uso de tecnologia. O tema esteve presente na última edição, mas ganhou força no meio ao longo do último ano, inclusive no Brasil, com a desclassificação de um dos semifinalistas do Prêmio Jabuti. A feira de Bolonha é o maior encontro do mercado editorial dedicado à literatura infantil e juvenil.

O início do evento também será marcado pela expectativa de reconhecimento à produção brasileira, com o anúncio de algumas das mais importantes premiações do setor. Com diversas obras para crianças (e outras tantas para o público em geral), Marina Colasanti está entre os seis escritores indicados ao Prêmio Hans Christian Andersen - que também tem o ilustrador brasileiro Nelson Cruz entre os finalistas. O Brasil é o único país com representantes nas duas categorias, e os vencedores serão conhecidos na manhã desta segunda, 8.

Outro dos principais prêmios mundiais anunciados na feira também tem brasileiro indicado - o ilustrador Roger Mello concorre ao Astrid Lindgren Memorial Award (conhecido como Prêmio Alma). Entre as premiações da própria feira, o País está representado pela editora baiana Solisluna, que concorre na categoria melhor editora da América Latina e Caribe. Além disso, um reconhecimento já é certo: Dia de Lua, de Renato Moriconi, da editora Jujuba, receberá o troféu de melhor livro para bebês.

Brasil na Feira do Livro de Bolonha

Em 61 edições, esta será a com maior delegação brasileira. A Câmara Brasileira do Livro (CBL) confirmou a participação de 23 editoras, uma a mais do que na edição passada. No balanço de 2023, a organização contabilizou US$ 448 mil em negócios para as 22 participantes, com a venda de livros físicos e direitos autorais.

"Esta edição representa um marco para o Brasil, que está recebendo um prêmio importante e possui várias indicações em outras categorias de prestígio", aponta Sevani Matos, presidente da Câmara Brasileira do Livro. "Esses reconhecimentos elevam o status da literatura infantil brasileira internacionalmente, aumentando sua visibilidade e abrindo caminhos para que autores, ilustradores e editoras brasileiras alcancem um público mais amplo", completa.

Além disso, pelo segundo ano consecutivo, o Instituto Emília estará com um estande. O espaço terá obras de editoras brasileiras de diferentes portes e regiões do País, além da presença dos artistas visuais Anita Prades (de Fio de Rio) e de Daniel Kondo (de Nós, em conjunto com o cantor Gilberto Gil). A instituição também organiza parte dos debates do evento, em parceria com a feira.

Cerca de 1,5 mil expositores de 100 países estão confirmados. A programação seguirá até a quinta-feira, 11, com a participação de grandes escritores e ilustradores, como Bart Moeyaert (de A Criação, da Bélgica), Julia Donaldson (de O Grúfalo, do Reino Unido), Paloma Valdivia (de É Assim, do Chile), Lorenzo Mattotti (de Estigmas, da Itália) e Lincoln Peirce (de Big Nate, dos Estados Unidos).

Entre os autores brasileiros, o escritor Victor Dias de Oliveira Santos (de O que nos faz humanos) participará da programação. Já os escritores Daniel Munduruku (de Contos indígenas brasileiros) e Jacques Fux (de Dona Ivone Lara e o sonho de sambar e encantar) estarão com a delegação da CBL.

Outro tema de destaque do evento será a diversidade e a visibilidade de autores indígenas, negros e de países africanos. A feira também terá mesas voltadas a abordar como envolver as crianças nas discussões sobre as mudanças climáticas e a sustentabilidade.

Além disso, produções de 78 artistas de 32 países estarão expostas em uma mostra especial. Cinco brasileiros estão entre os selecionados entre os cerca de 3,5 mil inscritos: Bruno de Almeida, Guilherme Karsten, Irena Freitas, Henrique Moreira e Fernando Vilela.

*A repórter viajou a convite da Feira do Livro Infantil de Bolonha

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: