X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Famosos

Morre o cantor e compositor João Donato, ícone da MPB, aos 88 anos

De acordo com o filho, Donatinho, o compositor estave internado há cerca de duas semanas


O cantor João Donato morreu aos 88 anos, nesta segunda-feira (17), no Rio de Janeiro.

O artista enfrentava uma série de problemas de saúde. Recentemente, o músico tratou uma infecção nos pulmões.

Veja mais notícias sobre Famosos aqui

De acordo com o filho, Donatinho, o compositor estave internado há cerca de duas semanas. "Vim passar uns dias para mimar o Big Donato, agora que ele teve alta do hospital. Ele pediu para eu cozinhar um dos pratos preferidos dele, o Spagabola (mais conhecido como Spaguetti a Bolognesa)", publicou, no dia 30 de junho, no Instagram.

TRAJETÓRIA

João Donato de Oliveira Neto, mais conhecido como João Donato, nasceu em 1934 em Rio Branco, no Acre. A paixão pela música começou ainda na infância.

Anos depois, em 1945, a família se mudou para o Rio de Janeiro. À época, as primeiras apresentações no palco aconteceram em festas de colégio.

Já a primeira gravação profissional foi como integrante da banda do flautista Altamiro Carrilho. Tempos depois, ele passa a trabalhar com o violinista Fafá Lemos, como suplente de Chiquinho do Acordeom.

O artista frequentou o Sinatra-Farney Fã Clube, na Tijuca, por 17 meses. O local é considerado uma das principais escolas para a geração que criaria o movimento que ficaria conhecido como Bossa Nova.

Donato teve contato com os principais nomes do movimento, como Tom Jobim, Vinicius de Moraes, João Gilberto e Johnny Alf.

Embora tenha moldado a MPB nos anos 1960 e 1970 com a elegância do seu piano, e contribuído com grandes clássicos, muitos com colaborações de peso na letra — como "A Rã" (Caetano Veloso), "Bananeira", "A Paz (Leila IV)" e "Emoriô" (Gilberto Gil) —, Donato não foi um medalhão midiático e nunca fez parte do dito "esquema".

Ele soube disso quando gravou "Quem é Quem" em 1973, no Brasil, após uma temporada nos Estados Unidos. Com som próprio, meio bossa-nova, meio jazz (mas sempre temperado com molho latino) foi cultuado por músicos, e o álbum, listado entre os 100 melhores discos brasileiros da revista "Rolling Stone". Na hora de lançá-lo, ouviu do dono da gravadora que o trabalho não entraria no "esquemão" de outros artistas.

"Então não vai ter nenhum esquema", pensou Donato. "Um amigo meu me disse: 'Se eu fosse você, pegava uma caixa de discos na divulgação, ia ao Outeiro da Glória [morro do Rio de Janeiro], jogava os discos lá de cima e pedia para a televisão filmar'". Ele obedeceu. Com as câmeras apontadas, jogou cópias de "Quem é Quem" para o alto. "Lancei a meu modo", relembrou, gargalhando, em entrevista ao UOL em 2016.

Leia mais:

Pabllo Vittar sofre queda durante apresentação em Vitória

"Tinha momentos de dor, sozinho em casa", diz André Marques

Alice Wegmann diz já ter sofrido abuso sexual

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: