Login

Atualize seus dados

Famosos

Henrique e Juliano: “Cantar é nossa maneira de lidar com a saudade”

Dupla conta que a música ajuda a atenuar a distância da família e a morte da amiga Marília Mendonça

09/01/2022 17:21:52 min. de leitura

Imagem ilustrativa da imagem Henrique e Juliano: “Cantar é nossa maneira de lidar com a saudade”
“Cantar é nossa maneira de lidar com a saudade” Foto: Divulgação
 

Não importa o lugar. Seja nos palcos, debaixo do chuveiro ou no quarto de hotel, se a saudade aperta, a dupla sertaneja Henrique e Juliano tem o seu remédio: a música!

“Cantar é nossa maneira de lidar com a saudade”, revela Henrique, em entrevista ao AT2.

 Em meio a tantas situações de manifestação desse sentimento após o retorno da agenda movimentada de shows, já que acabam tendo que deixar  suas famílias em casa, os irmãos precisam lidar com mais uma lembrança, a da cantora Marília Mendonça, vítima de um acidente de avião em novembro.

   “Sempre serão momentos difíceis, o tempo só ameniza a dor, não apaga”, afirma o cantor de 32 anos. Ele e Juliano, 31 anos, eram considerados padrinhos da Rainha da Sofrência, que compôs  “Cuida Bem Dela”, um dos maiores hits da dupla. 

 Palavra constante no vocabulário sertanejo, inclusive, no de Marília, a “saudade” também está presente no recém-lançado primeiro volume do projeto “Manifesto Musical”, através do single “A Maior Saudade”.

   Com 75 milhões de execuções apenas no Spotify, a romântica canção é apenas um dos   sucessos do sétimo trabalho da dupla, ao lado de “Arranhão”, “Acordo” e “Rasteira”. O novo álbum foi gravado na fazenda onde vivem os sertanejos, em Porto Nacional, no Tocantins.

   Guarapari

 Aliás, as novas músicas estarão no show que a dupla faz na próxima sexta-feira, às 20 horas, no Cafe de La Musique, em Meaípe, Guarapari.

 A noite ainda será animada pelo grupo sul-mato-grossense Atitude 67, conhecido por interpretar várias canções de sucesso, como “Cerveja de Garrafa (Fumaça Que Eu Faço)” e “Saideira”.


“O brasileiro é muito criativo”


At2 Como tem sido essa volta aos palcos?  Prometem para sexta-feira uma noite de muitas novidades e sofrência? 

Henrique O reencontro com o público tem sido muito especial para todos nós. Não creio que nosso show se limita a sofrência, tentamos sempre levar músicas para  divertir e boas mensagens.

Por que deram o nome de “Manifesto Musical” para o novo trabalho? 

A ideia foi mesmo a de nos manifestar através da música, que faz muita falta para todo mundo. Queremos que as pessoas entendam que o entretenimento é algo fundamental para todos.  

Quando perceberam que podiam manifestar suas emoções através da música?

Desde sempre, a música é nosso elo de ligação com o público.

Parecem sempre escolher as músicas certas para seus projetos. Como foi a seleção de repertório desse novo trabalho? É um processo muito intuitivo?

Intuitivo no sentido de estarmos sempre buscando o melhor. O processo de escolha é algo que fazemos o tempo todo, concluímos um repertório já pensando no outro. Acho que nossos acertos acontecem porque sempre buscamos músicas que se encaixem em nossas características, músicas que têm a ver com Henrique e Juliano.

Não é a primeira vez que gravam um projeto audiovisual na fazenda de vocês. Gravar lá dá sorte? 

Nossa fazenda é nosso lar, onde escolhemos viver e, é especial desde sempre. Somos muito abençoados e todos nossos projetos sempre foram cercados de boas energias. Gravar em casa é sempre muito bom.

O refrão de “Arranhão” virou meme. Se divertem com as brincadeiras e mensagens relacionadas à música? A versão em pagode foi importante para esse sucesso? 

O brasileiro é muito criativo e não tem como não se divertir. É bom saber que nossa música chega a outros segmentos.

Em nome do amor, dos nossos sentimentos, vale se render a todos os perigos e riscos, como demonstram em “Arranhão”?

Alguns riscos são calculados, outros não. E sentimento é sempre uma nova aposta que pode funcionar ou não, mas, já que resolveu entrar, tem de mergulhar mesmo. Até porque “o que é um arranhão pra quem tá f.”, concorda? (Risos) 

Na música “Rasteira”, cantam: “A gente tá parecendo fim de namoro de artista / Toda hora vem um chato me enchendo de porquê / Por que que acabou?”. A curiosidade do público em relação a vida pessoal de vocês é algo que os deixam irritados?

Já ficamos muito, mas tenho certeza de que hoje as pessoas já entenderam nosso estilo de vida e pouco ficam no pé.

Foram 27 faixas gravadas para o projeto “Manifesto Musical”, ou seja, devem vir mais volumes por aí... Quando pretendem lançar o próximo e o que o público pode esperar destas continuações? 

Ainda neste início de ano vamos lançar a segunda parte. A maioria das faixas já foram testadas quando disponibilizamos as guias em nosso canal.

Conseguem escolher uma faixa favorita? 

Perguntar para o pai dos filhos qual é mais especial complica… (Risos)