X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Caso Anitta: Cirurgia de endometriose não cura e requer devida indicação

A doença benigna pode acometer diversos órgãos além do útero e dos ovários

Agência Estado | 20/07/2022 19:01 h

Poucas semanas após expor seu diagnóstico de endometriose, Anitta foi internada para se preparar para uma cirurgia para eliminar os focos da doença, na última terça-feira (19). Contudo, apesar de parecer uma alternativa definitiva, o procedimento depende do quadro clínico da paciente e não garante cura.

A endometriose se caracteriza pela presença do tecido que reveste o útero (endométrio) em outras regiões do corpo. Por isso, a doença benigna pode acometer diversos órgãos além do útero e dos ovários. Segundo o Ministério da Saúde, uma a cada 10 mulheres sofre com os sintomas da condição, que embora possa ser assintomática, normalmente se caracteriza por dores, cólicas menstruais intensas e dificuldade para engravidar.

Poucas semanas após expor seu diagnóstico de endometriose, Anitta foi internada para se preparar para uma cirurgia para eliminar os focos da doença, na última terça-feira (19)
Poucas semanas após expor seu diagnóstico de endometriose, Anitta foi internada para se preparar para uma cirurgia para eliminar os focos da doença, na última terça-feira (19) |  Foto: Reprodução/Instagram
 

Márcia Mendonça Carneiro, ginecologista, professora associada da Faculdade de Medicina da UFMG e membro da Comissão Nacional Especializada em Endometriose da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), explica que a escolha do método de tratamento depende de avaliação médica, considerando os sintomas apresentados, desejo reprodutivo, idade da paciente e as características das lesões (localização e gravidade).

Antes de considerar a cirurgia, é comum a indicação do tratamento medicamentoso, a partir de hormônios para suspensão da menstruação, como pílula combinada ou de progesterona, implante hormonal ou DIU medicado (Mirena©).

"O tratamento hormonal está indicado para as mulheres que não desejam engravidar e não apresentam risco de obstrução intestinal ou urinária. Apesar de seguro, o método não funciona adequadamente ou não é tolerado por até 30% das mulheres. Constituem efeitos colaterais comuns o sangramento irregular, dores de cabeça e alterações da libido", informa a especialista

A cirurgia tende a ser uma segunda alternativa. O procedimento, realizado por videolaparoscopia (vídeo) ou laparotomia (barriga aberta), visa remover todos os focos visíveis e/ou palpáveis de endometriose em uma única cirurgia, a fim de melhorar a dor, a qualidade de vida e a fertilidade da paciente.

Mesmo após o procedimento, é indispensável o tratamento hormonal, de modo a evitar a recorrência da condição. "A doença é crônica e a cura definitiva não ocorre. Dessa forma, os tratamentos não-cirúrgicos devem ser maximizados para evitar operações repetidas, que não necessariamente produzem alívio da dor", acrescenta a ginecologista.

O tratamento cirúrgico requer avaliação pré-operatória minuciosa, para determinação dos focos de doença, "o que possibilita que possíveis dificuldades cirúrgicas e eventuais complicações intra-operatórias sejam antecipadas". Além disso, é indispensável um profissional habilitado e experiente no método, a fim de que seja realizada uma operação conservadora, conforme alerta Márcia.

"Os implantes da doença devem ser tratados de tal modo que os órgãos reprodutivos (útero e ovários) permaneçam preservados. Estudos revelam que os melhores resultados são obtidos quando o tratamento é realizado por equipe multidisciplinar, composta por ginecologista, coloproctologistas e especialistas em infertilidade", explica a médica.

Por fim, a especialista destaca que, para amenizar os sintomas, além dos tratamentos citados, é importante mudanças no estilo de vida, com alimentação saudável (preferencialmente anti-inflamatória) e prática de atividades físicas, bem como o acompanhamento médico multidisciplinar.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS