X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Entretenimento

Disney+ vai levar cobrança da taxa do 'ponto extra' para outros países


O Disney+ já tem data para encerrar o compartilhamento de senha entre usuários de uma mesma conta: a partir de junho, quem quiser ter acesso ao streaming de vídeo terá que pagar a sua própria cota de assinatura. Não há uma data definida, porém, para a cobrança começar no Brasil.

A informação já tinha sido adiantada em janeiro deste ano, depois que a regra entrou em vigor nos EUA. Na época, usuários americanos receberam um e-mail do Disney+ informando sobre mudanças nos termos de uso da plataforma, que inclui a nova cobrança para adicionar mais usuários em uma única conta do serviço.

Agora, ao que tudo indica, outros países devem receber a mesma restrição a partir de junho, incluindo o Brasil, onde o streaming opera desde novembro de 2020. A estratégia deve ser a mesma utilizada pela Netflix, em que perfis de uma mesma conta que residem em endereços diferentes precisam pagar uma taxa de utilização - popularmente conhecida como "taxa do ponto extra".

O valor do acréscimo de assinatura por endereço, porém, ainda não foi divulgado. Como comparação, cada ponto extra adicionado na Netflix custa R$ 13. De acordo com Bob Iger, CEO da Disney, os valores não serão cobrados imediatamente, mas o esforço para identificar quais contas compartilham senhas deve acontecer entre junho e setembro e, a partir de então, a taxa deve ser implementada de forma definitiva.

A estratégia também será lançada "apenas alguns países e alguns mercados" em um primeiro momento, "mas depois ela crescerá significativamente com uma implementação completa em setembro".

O objetivo seria aumentar o número de assinantes, tendo em vista que, ao compartilhar senhas e perfis, a base de usuários que pagam pelo serviço cai. A Netflix, por exemplo, registrou 9 milhões de novos assinantes após aplicar a mudança.

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: