X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Assine A Tribuna
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Entretenimento

Disney encerra disputa judicial com a Flórida e deve investir até US$ 17 bilhões no Estado


Meses depois que os nomeados da Disney e do governador Ron DeSantis concordaram em encerrar uma prolongada luta legal, os dois lados devem aprovar um acordo que pode resultar no investimento da empresa de até US$ 17 bilhões em seu resort na Flórida, abrindo as portas para um quinto grande parque temático no Walt Disney World.

Os cinco supervisores nomeados por DeSantis - que monitoram o distrito da Disney World - votaram na quarta-feira, 5, para dar a aprovação inicial a um novo acordo de desenvolvimento em que ambos os lados concordaram em negociar depois que um acordo, realizado em março, encerrou seus processos judiciais no Estado. Uma segunda votação para a aprovação final está marcada para a próxima semana.

"Estamos caminhando para um novo dia e estou entusiasmado com o rumo que isso vai tomar", disse Charbel Barakat, vice-presidente do conselho distrital. "Eu só queria que tivéssemos chegado aqui mais cedo."

Woody Rodriguez, diretor de relações externas dos parques da Disney, disse aos membros do conselho que o acordo permitirá à empresa fazer investimentos substanciais na Disney World.

O Distrito de Turismo e Supervisão da Flórida Central presta serviços municipais como combate a incêndios, planejamento e controle de mosquitos, entre outros. Antes, era controlado por apoiadores da Disney durante a maior parte de suas cinco décadas, até ser assumido pelos nomeados por DeSantis no ano passado.

Expansão do Walt Disney Park

Segundo os termos do acordo, durante a próxima década, a Disney teria permissão para construir um quinto grande parque temático na Disney World e mais dois parques menores, como parques aquáticos. A empresa poderia aumentar o número de quartos de hotel em sua propriedade de quase 40 mil quartos para mais de 53 mil quartos, além de aumentar a quantidade de espaço comercial e de restaurantes em mais de 20%. A Disney manteria o controle das alturas dos edifícios devido à necessidade de manter um ambiente envolvente.

Em troca, a Disney seria obrigada a doar até 100 acres (40 hectares) dos 24.000 acres (9.700 hectares) da Disney World para a construção de projetos de infraestrutura controlados pelo distrito. A empresa também precisaria conceder pelo menos metade de seus projetos de construção a empresas sediadas na Flórida e gastar pelo menos US$ 10 milhões em moradias populares na região central da Flórida.

Projeto de Lei "Don't Say Gay"

O acordo de março encerrou quase dois anos de litígio que foi desencadeado pela aquisição do distrito por parte de apoiadores da Disney por DeSantis, após a oposição da empresa a uma lei da Flórida que os críticos apelidaram de "Não diga gay".

A lei de 2022 proíbe aulas presenciais sobre orientação sexual e identidade de gênero nas séries iniciais e foi defendida pelo governador republicano, que usou a Disney como saco de pancadas em discursos até suspender a sua campanha presidencial este ano.

Como punição pela oposição da Disney à lei polêmica, DeSantis assumiu o distrito governante por meio de legislação aprovada pelo Legislativo da Flórida, controlado pelos republicanos, e nomeou um novo conselho de supervisores. A Disney processou DeSantis e seus nomeados, alegando que os direitos de liberdade de expressão da empresa foram violados por se manifestarem contra a legislação. Um juiz federal rejeitou o processo em janeiro, mas a Disney apelou. Como parte do acordo de março, a Disney concordou em suspender o recurso da ação federal.

Antes que o controle do distrito mudasse de mãos de aliados da Disney para nomeados por DeSantis no início do ano passado, os apoiadores da Disney em seu conselho assinaram acordos com a Disney, transferindo o controle sobre o design e construção da Disney World para a empresa. Os novos nomeados por DeSantis alegaram que os "acordos de última hora" neutralizaram seus poderes e o distrito processou a empresa no tribunal estadual de Orlando para anular os contratos.

A Disney apresentou reconvenções que incluíam pedir ao tribunal estadual que declarasse os acordos válidos e executáveis. Essas ações judiciais estaduais foram rejeitadas como parte do acordo de março. (Com AP)

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: