X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Oscar 2022 - Os premiados

Adilson Carvalho* | 28/03/2022 18:28 h

A 94.ª cerimônia de entrega dos Academy Awards foi apresentada neste domingo dia 27 no Teatro Dolby, em Los Angeles, California. A apresentação ficou com o trio de comediantes Regina Hall, Wanda Sykes e Amy Schuman e começou com a ótima performance da indicada Beyoncé com “Be Alive”, da trilha sonora de “King Richards – Criando Campeãs”. 

Entre os coadjuvantes tivemos Troy Kotsur e Ariana DeBose como melhor ator e atriz. Seu emocionante discurso não esqueceu de mencionar a fantástica Rita Moreno, a primeira intérprete de Anita, seu personagem na ótima refilmagem de “Amor Sublime Amor”. Já Kotsur fez história tornando-se o primeiro ator surdo a ganhar a estatueta, por sua atuação no sensível e belíssimo “No Ritmo do Coração”. Nele, o ator contracena com Marlee Matlin, que em 1986 foi a primeira atriz surda premiada com o Oscar. “O Ataque dos Cães”, campeão em número de indicações, levou apenas o prêmio de melhor direção para a neozelandesa Jane Campion, consolidando seu nome como a única diretora a ser indicada duas vezes por seu trabalho. Em 1992 seu trabalho em “O Piano” chamou a atenção para seu talento, agora finalmente reconhecido pela Academia. 

Foi uma cerimônia de homenagens marcando a noite com os 30 anos de “Homens Brancos Não Sabem Enterrar” antes da entrada no palco de Woody Harrellson e Wesley Snipes. Os 60 anos de “007 Contra o satânico Dr.No” foram lembrados  um ano depois da despedida de Daniel Craig no filme “007 Sem Tempo Para Morrer”, que deu o Oscar de melhor canção para Billie Eilish, e sua belíssima voz. No clip exibido desfilaram 6 décadas ao som da icônica “Live & Let Die” na voz de Paul McCartney. Jennifer Garner, J.K.Simmons e Elliot Page entraram no palco lembrando os 15 anos de “Juno” e entregaram o prêmio de melhor roteiro original para Kenneth Branagh, uma sensível reconstituição de memórias capaz de emocionar até o mais duro coração.

Outro clássico homenageado foi “O Poderoso Chefão” que completa 50 anos e foi lembrado com um clip seguido das entradas no palco de Francis Ford Coppola, Robert DeNiro e Al Pacino. O tradicional clip “In Memorian”, que todo ano lembra os artistas e professionais falecidos, trouxe as entradas pontuais de Tyler Perry, Jamie Lee Curtis e Bill Murray lembrando Sidney Poitier, Betty White e Ivan Reitman entre os vários e saudosos nomes lembrados na tela. Nada foi mais inesperado, no entanto, que a subida ao palco de Will Smith para esmurrar o apresentador Chris Rock que fizera uma piada desagradável com a esposa de Will, que estava de cabeça raspada por consequência de problemas de saúde. 

Os 28 anos de “Pulp Fiction” reuniram no palco John Travolta, Uma Thurman e Samuel L. Jackson para anunciar o prêmio de melhor ator para Will Smith por “King Richard – Criando Campeãs”, um discurso emocionante, sincero e até pungente em que o ator falou de agradecimento, de proteção, de amor e até de humildes desculpas. Anthony Hopkins foi aplaudido de pé por todos e anunciou Jessica Chastain como a melhor atriz por “Os Olhos de Tammy Faye”.

A vitória de “Duna” com 6 estatuetas teria sido maior se a Academia não tivesse ignorado o diretor Dennis Villeneuve, uma tremenda esnobada que mostra que a Academia não cansa de, a cada premiação, promover injustiças homéricas. A esperada vitória de “Encanto” como melhor animação, logo após uma tensa, porém emotiva apresentação da canção “Dos Oruguitas” na voz de Sebastián Yatra. Curioso que a música foi selecionada como representante no Oscar por “Encanto” antes do sucesso inesperado e retumbante de “We Don't Talk About Bruno”, também escrito por Lin-Manuel Miranda. Como não poderia ser esquecida, a canção foi reproduzida no palco depois que seu dublador, o ator colombiano John Leguizamo apresentou a atração lamentando não saber dançar. Já a premiação de “Drive my car” como melhor filme internacional era bem esperada, e igualmente merecida. 

A dinamização da festa, com a entrega antecipada de alguns prêmios, além dos números musicais pontuais e eficientes fizeram deste Oscar um evento melhor que a de outros anos, mantendo a estrutura tradicional, mas buscando diversidade, tentando se reaproximar do público. Encerrando a noite, a lendária Liza Minelli, aos 76 anos, anunciou ao lado de Lady Gaga o prêmio de melhor filme para “No Ritmo do Coração”, mostrando não ainda uma renovação, mas a busca por uma sintonia maior com os novos tempos sem esquecer de 94 anos de muita história, em uma cerimônia de fortes emoções bem ao ritmo das emoções que somente o cinema oferece.

Lista dos Vencedores

Melhor filme: No Ritmo do Coração

Melhor direção: Jane Campion (Ataque dos Cães)

Melhor atriz: Jessica Chastain (Os Olhos de Tammy Faye)

Melhor ator: Will Smith (King Richard: Criando Campeãs)

Melhor atriz coadjuvante: Ariana DeBose (Amor, Sublime Amor)

Melhor ator coadjuvante: Troy Kotsur (No Ritmo do Coração)

Melhor roteiro original: Belfast

Melhor roteiro adaptado: No Ritmo do Coração

Melhor filme internacional: Drive My Car (Japão)

Melhor animação: Encanto

Melhor documentário: Summer of Soul (...ou Quando A Revolução Não Pôde Ser Televisionada)

Melhor canção original: No Time to Die (007: Sem Tempo para Morrer")

Melhor figurino: Cruella

Melhores efeitos especiais: Dune

Melhor fotografia: Dune

Melhor curta-metragem: The Long Goodbye

Melhor animação em curta-metragem: The Windshield Wiper

Melhor documentário em curta-metragem: The Queen of Basketball

Melhor montagem: Dune

Melhor direção de arte: Dune.

Melhor maquiagem e cabelo: Os Olhos de Tammy Faye

Melhor trilha sonora: Dune

Melhor som: Dune

*Adilson Carvalho é colaborador do Tribuna Online

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS