X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Entretenimento

Comentaristas da Globo News discordam e discutem ao vivo


Comentaristas da Globo News discutiram ao vivo durante o programa

Em Pauta

na sexta-feira, 15. Eles debatiam o protocolo de segurança que Javier Milei, novo presidente da Argentina, anunciou para impedir bloqueios de ruas, vias e pontes em manifestações em Buenos Aires.

Tudo começou quando o correspondente Ariel Palacios comentou a decisão de Milei. "O pessoal vai ter que protestar na Praça de Maio, nas calçadas, sem interromper as ruas. Se é que isso será aplicado assim mesmo", disse ele.

O jornalista Guga Chacra criticou a medida, chamando-a de "tremenda hipocrisia". "Restringir o direito das pessoas se manifestarem contra: onde está a liberdade que ele tanto prega ou pregava quando era candidato?", questionou.

Em seguida, Demétrio Magnoli discordou dos jornalistas e afirmou que Milei faz um programa de choque econômico. Em seguida, disse que o presidente não restringiu manifestações.

"O que queria me referir é nessa questão da restrição das manifestações, porque não é verdade que Milei proibiu manifestações de protesto. Isso não aconteceu. Todo mundo pode se manifestar nas praças, nas calçadas, nas ruas etc. O que foi proibido foram os piquetes, que na Argentina são um tipo de manifestação que visa a barrar as cidades", começou Magnoli.

Ele continuou e disse que, na verdade, os piquetes foram proibidos. "Usa-se, inclusive, queima de pneus no meio das ruas. Nas democracias do mundo desenvolvido, não se pode fazer piquetes. O que está proibido [na Argentina] são métodos violentos de se interromper a circulação na cidade", completou.

Chacra pediu a palavra novamente e rebateu Magnoli. Como jornalistas, ele disse ser necessário "tomar cuidado" na hora de informar a população. "O Demétrio está como jornalista no programa nesse momento, embora muitas vezes diga que não seja. Ninguém falou em proibição de manifestação, nem eu, nem o Ariel, a gente falou em restrição, e isso que aconteceu é restrição sim. Você pode não concordar, mas há restrição à liberdade [de manifestação] sim."

Magnoli fez sua tréplica ao dizer que estava no programa como sociólogo. "Não me digo jornalista. Em segundo lugar, não disse que alguém disse aqui que foram proibidas as manifestações. O que eu disse é que foi restringido um tipo específico de manifestação, proibido em todas as democracias avançadas".

O sociólogo continuou. "Experimenta fazer uma linha de pneus queimando em Nova York, Washington, Londres, Berlim, Paris. A manifestação livre não implica no direito de interromper no funcionamento da cidade."

Antes de passar a palavra, a apresentadora Leilane Neubarth também questionou Magnoli. "Em Paris, eles podem não queimar o pneu, mas eles queimam o carro inteiro. Eu lembro que quando teve toda aquela discussão da presidência na França, era carro queimado o tempo todo e impedia todo mundo de andar."

O comentarista Mauro Paulino também criticou a fala de Magnoli. "No meio da discussão, o Demétrio falou que está aqui como sociólogo e não como jornalista. Eu também sou sociólogo, mas estou num programa jornalístico, em uma emissora jornalística, e preciso ter compromisso sempre com a verdade jornalística. Só queria fazer essa observação."

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: