Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

A paternidade virou a chave na minha cabeça”, afirma o ator David Júnior

| 15/10/2020 16:22 h

A gravidez foi planejada, com cuidado, alegria, amor. O resultado positivo do teste foi muito comemorado! Mesmo assim, um dia, o sagitariano aventureiro e otimista se viu cheio de medos. Por quê?

“A paternidade virou uma chave na minha cabeça. Eu sempre fui muito positivo, mas agora penso o tempo todo que pode dar m...”, assume David Júnior, aos risos e “transbordando de felicidade”. Ele está à espera de Amora com a também atriz Yasmin Garcez.

No bate-papo com o AT2, o carioca de 34 anos disse que demorou três meses para ter coragem para sair de casa, em meio à pandemia, porque tinha medo de contrair Covid-19.

“Depois, eu relaxei. Mas agora eu sei que preciso garantir que minha filha tenha tudo o que precisa, desde uma fralda que não pode acabar. Sou um adulto agora”, afirma.

"A minha avó teve 20 filhos. E sem gostar de beijo na boca. (Risos) Não vou chegar a tanto, mas teremos mais filhos”, diz David.
"A minha avó teve 20 filhos. E sem gostar de beijo na boca. (Risos) Não vou chegar a tanto, mas teremos mais filhos”, diz David. |  Foto: Divulgação

Enquanto Amora (“é o feminino de amor”, ele justifica) não chega, ele reflete sobre os ensinamentos que recebeu de seu pai e até arrisca uma previsão sobre o tipo de pai que será para sua pequena, que deve nascer em dezembro.

“Eu vou ser o pai mais babão que existe na face da Terra. Vou ser daqueles pais que a criança faz de gato e sapato, que chega a dar pena de tão mole. Estou tranquilo com isso. Nem vou lutar contra”, conta ele, às gargalhadas, pronto também para perder noites de sono.

“Homem deve fazer exames”

AT2 Vive médicos, empresários, protagonistas. Que importância isso tem?

David Junior É difícil responder. Eu tento me espelhar no outro, refletir coletivamente. Olhar para dentro é uma coisa que a gente não faz tanto. Mas, desde que eu comecei a trabalhar como modelo ou como ator, sempre me vi competindo.

Quando eu fazia comerciais, quando passava em um teste, era sempre somente eu. O comercial tinha vários atores e um negro. Eu. Quando eu alcanço esse lugar de protagonismo então, eu fico feliz por abrir possibilidades. Estou aqui. Viram que dá certo? Viram que as pessoas se identificam com um protagonista negro? Então, vamos chamar mais gente! Hoje não posso mais competir. Quero agregar. É importante a gente ter espaço, mas é importante não ter espaço sozinho.

Fez “Sessão de Terapia” com Selton Mello. Muitos dizem querer trabalhar com ele. Como foi?

(Risos) Ele é uma pessoa diferente, realmente muito especial. O último dia de gravação de “Sessão de Terapia” foi um dos momentos mais emocionantes da minha carreira. Ele me entregou um buquê de flores e fez um depoimento sobre como foi trabalhar comigo. Cada vez que eu falo sobre isso, eu me emociono. (Pausa) Ele colocou uma roterista trans, negra, para escrever o meu personagem. Olha como é o cara! Ele é incrível!

Já fez terapia?

Quando eu aceitei o papel na série, eu comecei a fazer e nunca mais parei. O ser humano está em constante aprendizado e desconstrução. Esse horário da semana é a hora de colocar as emoções nas gavetas certas.

Em isolamento social e grávidos. Como ficou a sua relação com Yasmin?

Só melhora. Eu tenho uma mulher incrível do meu lado. A gente é muito amigo. Eu não me lembro de termos brigado nesse período de isolamento.

Conseguimos ver as qualidades e os defeitos um do outro e os aceitamos. Só aceitamos. Porque nos amamos e está tudo bem. Somado a isso, a gente ainda tem esse presente que é a Amora. Alguém falou para mim que o filho chega quando a felicidade de um casal transborda. É isso que a gente está sentindo.

Descobrir-se “grávidos” em meio à pandemia, como foi?

Até aí eu não tinha medo nenhum. A gente queria muito esse bebê. Nós estávamos tentando engravidar. E nós nos preparamos para isso, fizemos exames.

Eu fiz um exame de farmácia de fertilidade e deu infértil. Aí eu surtei. Fiquei muito mal. Então, após procurarmos um profissional, fiz um espermograma e vi que eu não sou infértil.

O que eu quero dizer com isso? Quando um casal decide ter filhos, a mulher se dedica ao máximo, começa a fazer exames. E o homem já acha que está tudo certo com ele. O homem deve fazer exames também. É importante.

Compartilhou uma oração comovente feita por seu pai. Conta sobre ela?

Eu nasci em 1985, e ele escreveu aquilo em 1982. O meu pai já faleceu, o que faz com que essa oração seja ainda mais linda. Recebi essa oração exatamente depois que descobri que seria pai. Nem a minha mãe sabia da existência dela. Ela achou mexendo nas coisas lá em casa e me mandou. Eu me identifico em muitos lugares ali e com as coisas que ele pediu.

Fez uma para Amora?

Pretendo fazer. Depois que eu vi a oração do meu pai, fiz uma para o meu filho, que ainda virá. E vou fazer uma para Amora.

Então, vêm mais filhos aí… Já está decidido?

A minha avó teve 20 filhos. E sem gostar de beijo na boca. Ela vai me matar que eu disse isso, mas é o que ela diz. (Risos) Não vou chegar a tanto, mas teremos mais filhos, sim.

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS