search
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.


Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

esqueceu a senha? Assinar agora
Cookies não suportados!

Você está utilizando um navegador muito antigo ou suas configurações não permitem cookies de terceiros.

Enfermidade que acelera a vida
Doutor João Responde

Enfermidade que acelera a vida

O tempo parece lento para quem está doente, e rápido para aquele que se encontra saudável. Nem sempre esta afirmação corresponde à realidade. Existe uma raríssima enfermidade que acelera a vida e gasta a saúde.

Trata-se da progéria, também conhecida como síndrome de Hutchinson-Gilford, doença genética extremamente rara, caracterizada pelo envelhecimento acelerado em cerca de sete vezes em relação à taxa normal.

As primeiras manifestações surgem no segundo ano de vida, com o crescimento muito lento e a queda de cabelo.

Sendo uma enfermidade que provoca o envelhecimento rápido do corpo, as pessoas nascidas com progéria têm uma expectativa de vida bastante curta, raramente ultrapassando o período de adolescência.

Apesar de essa síndrome causar uma diminuição muito acentuada na taxa de crescimento do bebê, ele vai continuar se desenvolvendo intelectualmente, adquirindo novas capacidades.

As principais alterações na aparência vão surgindo e incluem: rosto fino com queixo pequeno; cabeça muito maior que o rosto; perda de cabelo, incluindo cílios e sobrancelhas; atraso acentuado na queda e crescimento de novos dentes.

Outras características da síndrome são: pele fina e com vasos visíveis, olhos salientes e com dificuldade para fechar as pálpebras.

Com o desenvolvimento da doença, surgem problemas de saúde, como: surdez progressiva, artrite, ossos frágeis e susceptíveis a fraturas, diabetes mellitus, hipertensão arterial e alterações cardíacas.

Progéria, como outras patologias genéticas, é um acidente que acontece em um ou mais genes, não havendo prevenção.

Sendo uma síndrome causada por mutação genética, danos nucleares provocam a morte prematura das células.

Diferentemente de outras mutações genéticas, a progéria não é uma doença familiar.

Em vez disso, a mudança de gene tem uma chance de ocorrência que afeta um único espermatozoide ou óvulo, antes da concepção. Nenhum dos pais carrega a mutação.

A mutação genética responsável pela síndrome surge quase sempre durante a mitose, ou nos gametas dos progenitores, na altura da fecundação.

Crianças afetadas pela progéria têm aparência normal ao nascimento, mas logo começam a apresentar retardo no crescimento, e não ganham peso, como seria o normal.

Felizmente, a capacidade cognitiva dessas crianças evolui de maneira natural.

Os sintomas da enfermidade são parecidos com aqueles que aparecem em idosos, como rigidez articular, luxação de quadril, doenças cardiovasculares e respiratórias, aterosclerose, perda dos dentes e debilidade física.

O diagnóstico da síndrome de Hutchinson-Gilford é realizado através de testes genéticos.

Além de auxiliar no tratamento das comorbidades inerentes da patologia, o exame ajuda a tranquilizar os familiares das crianças afetadas, já que a progéria se origina em mutação genética esporádica.

Assim, não é porque um dos filhos nasceu com o problema que os demais também serão portadores da mesma síndrome.

Devido ao fato de ser uma enfermidade raríssima, apenas cinco crianças brasileiras já foram diagnosticadas com a síndrome de Hutchinson-Gilford.

Uma delas emocionou o País com a sua trajetória de vida, marcada pelas dificuldades da doença.

Em 2013, com 12 anos de idade, mas aparência e problemas de uma idosa de 70 anos, essa paciente faleceu em decorrência de parada cardiorrespiratória.

A Fundação de Pesquisa Progéria, localizada nos Estados Unidos, financia descobertas voltadas para esse tipo de doença.

De acordo com dados da fundação, existem 52 casos de progéria em todo o planeta.

A pequena distância entre o ontem e o amanhã produz longevos sonhos no efêmero coração desses pacientes. Gens mudam por acaso, mas não é por acaso que a vida existe.
 

Conteúdo exclusivo para assinantes!

Assine agora e tenha acesso ao conteúdo exclusivo do Tribuna Online!

Matérias exclusivas, infográficos, colunas especiais e muito mais, produzido especialmente pra quem é assinante.

Apenas R$ 9,90/mês
Assinar agora
esqueceu a senha?

últimas dessa coluna


Exclusivo
Doutor João Responde

Nossa memória imunológica

Quase ninguém se recorda da última vez em que ficou doente por conta de uma infecção microbiana, mas o sistema imune lembra bem desse momento da vida, assim como de vários outros anteriores. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Esses malditos vírus

Nada garante a saúde permanente do ser humano. Por mais que a vida seja protegida, nada assegura a manutenção da tranquilidade do amanhã. Por esse motivo, a ciência toma conclusões como verdades …


Exclusivo
Doutor João Responde

Maconha não é droga inofensiva

Quando aquele jovem apareceu no consultório, eu já sabia boa parte da história que ele iria me contar. Preocupada, sua mãe havia ligado antes, me passando algumas informações a seu respeito. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Minha vesícula encheu de pedras

Semanas após ter sido encaminhada para extrair a vesícula biliar, a paciente retornou ao meu consultório. Satisfeita, ela afirmou: “Minha cirurgia foi um sucesso, doutor”. Nada lembrava a …


Exclusivo
Doutor João Responde

Estou magro, mas sou gordo

Doze meses após se consultar comigo, o paciente reapareceu. Lembro-me quando ele chegou pela primeira vez. Lá estava, diante de mim, um adiposo jovem, carregando lipídios, complexos e desânimo. …


Exclusivo
Doutor João Responde

Idoso não deve morar sozinho

Amparado pelas filhas, um senhor de idade avançada entrou na minha sala e, com certa dificuldade, sentou-se na cadeira. Eu perguntei: O que posso fazer pelo senhor? Como ele se manteve silencios…


Exclusivo
Doutor João Responde

Ainda bem que envelhecer não dói

Agora que meu espírito amadureceu, meu corpo começou a envelhecer, lastimou um grisalho senhor. É verdade. A vida é curta, os sonhos são fugazes, as crises são duradouras, as decisões são difíceis, …


Exclusivo
Doutor João Responde

Como não enjoar navegando no mar

Minha pergunta é bastante objetiva, expôs um paciente ao entrar no meu consultório: Existe algo que eu possa fazer para evitar o vexame de correr em direção à amurada da embarcação e “deitar cargas …


Exclusivo
Doutor João Responde

Doença como forma de protesto

Quando aquele casal entrou no consultório, eu não imaginava que os sintomas, descritos por ambos, revelavam uma linguagem cifrada para um se queixar do outro. Mal iniciei a consulta do marido, a …


Exclusivo
Doutor João Responde

“Não posso ficar doente, doutor!”

Há mais de três décadas, eu venho observando os olhares aflitos de alguns doentes, quando confrontados com a realidade da doença. Adoecer significa sair da ativa, tendo em vista que “paciente” quer …


Olá, !

Esse é o seu primeiro acesso por aqui, então recomendamos que você altere o seu nome de usuário e senha, para sua maior segurança.



Manter dados