X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Veja quem assume MEC interinamente após saída de Milton

A saída do ministro da Educação aconteceu após denúncias de corrupção envolvendo favorecimento a pastores

Agência Estado | 30/03/2022 14:05 h

Atual ministro interino da Educação, Victor Godoy |
Atual ministro interino da Educação, Victor Godoy | |  Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
 

Secretário executivo do Ministério da Educação (MEC), Victor Godoy Veiga foi nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro para assumir interinamente o cargo de ministro da Educação, que era de Milton Ribeiro, exonerado na segunda-feira (28).

A saída do ministro aconteceu após denúncias de corrupção envolvendo favorecimento a pastores, que faziam parte de um suposto gabinete paralelo, reveladas pelo Estadão.

O novo cargo de Godoy foi publicado na edição do Diário Oficial da União desta quarta-feira (30). Para isso, ele deixará a função de secretário executivo da pasta, função que exerce desde julho de 2020.

Quinto nome a ocupar o MEC no governo Bolsonaro, Godoy atuou como auditor federal de finanças e controle da Controladoria-Geral da União (CGU), onde trabalhou de 2004 a 2020. Por lá, foi auditor federal de finanças e controle, chefe de divisão, coordenador-geral e diretor substituto de auditoria e diretor de auditoria da área social e de acordos de leniência.

Ele passou a integrar a equipe do MEC como secretário executivo em julho de 2020, mesmo período em que Milton Ribeiro assumiu o comando da pasta.

Conforme informações do próprio site do MEC, Victor Godoy Veiga é formado em Engenharia de Redes de Comunicação de Dados pela Universidade de Brasília e tem pós-graduação em Altos Estudos em Defesa Nacional pela Escola Superior de Guerra, e em Globalização, Justiça e Segurança Humana pela Escola Superior do Ministério Público.

Nos últimos dez dias, uma série de reportagens mostrou o lobby feito pelos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura no MEC, que passaram a facilitar o acesso ao então ministro. Os religiosos foram acusados por prefeitos de cobrar propina em dinheiro, em compras de bíblias e até em ouro.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS