X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Alunos da rede pública pioram em português e matemática

Indicadores têm como base a prova do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo

Aguinor Malaphaia, Ana Carolina Favalessa e Francine Spinassé, Do Jornal A Tribuna | 19/02/2022 17:15 h

Depois de quase dois anos de pandemia de covid-19, as perdas também chegaram à educação. Estudantes da rede pública estadual tiveram piora no aprendizado de  Português e Matemática.  

Os indicadores têm como  base a prova do Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo (Paebes).

Os dados apontaram o índice dos  estudantes e os níveis de  desempenho de cada série e disciplina, sendo eles: abaixo do básico, básico, proficiente e avançado.

 A queda no desempenho foi registrada,  principalmente,  no 1º, 2º e 3º  ano  do ensino fundamental. Em Português, nos dois primeiros anos, os estudantes que estavam em patamares    avançados, em 2018 e 2019, caíram  em 2020, chegando ao nível proeficiente, ou seja, um nível   abaixo.  

Também foram avaliados estudantes  do 5º ao 9º ano do ensino fundamental e da 3ª série do ensino médio. 

Nas etapas finais, a queda não foi acentuada. No entanto, no último ano do ensino médio os alunos já vinham ao longo dos últimos anos em níveis básicos, o que significa que não atingiram  habilidades essenciais para a etapa.  

Sobre a queda no desempenho, o secretário de Estado da Educação, Vitor de Angelo,  salientou  que  não causou surpresa, pois as crianças menores, do 1º ao 3º do ensino fundamental, têm pouca  autonomia para o ensino remoto.

Ele também afirmou que, nas avaliações anteriores à pandemia, o Estado vinha conseguindo aumentar os índices de aprendizado. 

Para Vitor de Angelo, os resultados poderiam ser ainda mais preocupantes se não fossem por ações  como a abertura das escolas  em outubro de 2020.

O secretário da Educação  ainda demonstrou preocupação com a aprendizagem e reprovação e equidade na rede. 

Além disso, ele afirmou que  não pode acontecer de os estudantes de  uma região  estarem aprendendo mais do que em outra.

A partir dos resultados,  as equipes  e os gestores escolares irão realizar o planejamento de ações para melhoria da educação. 

A prova  foi realizada em outubro de 2021 para alunos das redes estadual, municipais e particulares, que aderiram ao programa. A Sedu só divulgou ontem os resultados da rede própria.

Desafio ficou maior

Uma das alunas da rede estadual que enfrentou dificuldades com o ensino remoto  foi Hillary Rodrigues Naitzel, 16 anos. A estudante contou que o ensino de Matemática sempre foi desafiador para ela,   mas que, na pandemia, foi ainda mais difícil e que passou a ter problemas também com Português.

 Apesar de não ter realizado o Programa de Avaliação da Educação Básica do Espírito Santo (Paebes) no último ano, por estar no 2º ano do ensino médio,  ela ficou preocupada com a situação. “Pode ser que isso me atrapalhe no 3º ano e no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio)”, comentou.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS