X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Vale recusa proposta para vender a Samarco

Companhia Siderúrgica Nacional não desistiu de comprar mineradora e faz planos para assumir seu comando, apesar da negativa

Matheus Souza, do jornal A Tribuna | 22/06/2022 20:51 h

Unidade da Samarco em Ubu: empresa está em recuperação judicial e tem uma dívida de 50 bilhões de reais.
Unidade da Samarco em Ubu: empresa está em recuperação judicial e tem uma dívida de 50 bilhões de reais. |  Foto: Roberta Bourguignon/AT.
 

A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) está interessada em comandar a mineradora Samarco, que está em recuperação judicial desde 2021. A Vale, uma das acionistas da Samarco, negou interesse em vender a empresa. A CSN estuda meios de viabilizar a operação.

Com uma dívida na ordem dos R$ 50 bilhões, a Samarco busca na Justiça meios de viabilizar sua recuperação judicial. 

Em meio a isso, a CSN estaria estudando uma forma de assumir a Samarco. Inclusive, teria contratado uma consultoria especializada para estruturar uma proposta, que inclui a inserção de recursos e compra de créditos dos fundos.

Em nota, a Vale informou que “a Samarco não está à venda e reafirmam seu apoio ao plano de reestruturação protocolado pelos sindicatos de empregados da Samarco e outros credores em 18 de maio.  Ambos acionistas estão focados em garantir a sustentabilidade da Samarco.”

O diretor da DVF Consultoria, Durval Vieira de Freitas, acredita que o interesse de outras empresas pela Samarco é natural, mas considera que a operação não deve ir adiante.

“Não vejo interesse nenhum da Vale em se desfazer desse ativo. Faz parte desse processo de recuperação. Nós vivemos em um mercado aberto. Acho muito difícil que isso venha a ocorrer. Existe uma distância grande entre o interesse e a compra se tornar realidade”, afirma.

O presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas (Sindifer), Luis Soares Cordeiro, acredita ser cedo para analisar os movimentos.

“Ao meu ver, qualquer movimento que coloque em risco o plano de recuperação da Samarco, mais atrapalha do que ajuda”, afirmou Cordeiro.

Atualmente, a Samarco não opera com sua capacidade de produção total de pelotas de minério de ferro. A capacidade deve ser aumentada de forma gradativa até 2032, quando a empresa pretende voltar ao ritmo que tinha antes de 2015.

A CSN e a Samarco foram procuradas e informaram que não estão comentando a situação. Além deles, o Sindicato dos Metalúrgicos (Sindimetal) e a Central Única do Trabalhadores (CUT-ES) também preferiram não se manifesta

Recuperação Judicial

A Samarco entrou em recuperação Judicial em abril do ano passado. A empresa tem dois grandes credores de suas dívidas: fundos estrangeiros e seus acionistas, que são a Vale a BHP

Os credores internacionais apresentaram uma proposta que envolve pagamento de créditos para os fundos credores

O novo plano de recuperação prevê pagamento de juros da dívida de R$50 bilhões,  em detrimento dos seus acionistas, que terão um deságio

Capacidade de Produção

Com sua produção  interrompida em 2015, a Samarco voltou a operar com capacidade de produção reduzida no final de 2020

A empresa opera com 26% de sua capacidade total 

lucros: a  Samarco obteve, no ano de 2021, R$ 9 bilhões de faturamento e gerou mais R$ 1,1 bilhão em tributos nos estados que atua

A Samarco planeja retomar sua capacidade de produção ao que estava em 2015 de forma gradativa. Em 2023  ela vai aumentar para 32%; 60% em 2026; e 100% em 2032.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS