X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Sindicatos preveem demissões de até 7 mil domésticas no Estado

| 04/06/2020 15:10 h | Atualizado em 04/06/2020, 15:34

Trabalho doméstico: entre  as demissões, está a de uma profissional que atuava havia 20 anos na mesma casa
Trabalho doméstico: entre as demissões, está a de uma profissional que atuava havia 20 anos na mesma casa |  Foto: Divulgação

A pandemia do coronavírus mexeu não somente com a saúde das pessoas, mas também com a vida financeira delas. A crise econômica atingiu todos os setores e fez com que trabalhadores perdessem renda. Com isso, muitos patrões tiveram que suspender o contrato de trabalho de suas empregadas domésticas.

A classe já conta com cerca de 7 mil empregados com o contrato de trabalho suspenso ou a carga horária e salários reduzidos no Estado. O Sindicato das Empregadas Domésticas do Espírito Santo (Sindoméstico-ES) prevê que, a partir de agosto, demissões vão acontecer.

Isso porque esse é o mês que termina, para a maioria, a estabilidade prevista no Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda, do governo federal. O projeto determina que os empregadores não podem demitir seus funcionários pelo mesmo tempo que eles aderiram a medida.

“Grande parte dessas 7 mil empregadas estão com o contrato suspenso desde abril. Então, nos próximos dias, elas já vão voltar a trabalhar. Mas a realidade é que pelo menos a metade desses trabalhadores devem ser demitidos a partir de agosto, que é quando a estabilidade termina”, afirmou a tesoureira do Sindoméstico-ES, Ivete Pereira de Souza.

Ela destacou que, desde o início da pandemia, mais de 10 mil empregadas domésticas perderam seus postos de trabalho. “E esse número aumenta a cada dia, essa é a nossa triste realidade”, disse.

Luiza definiu como um alívio que as empregadas não fiquem sem recursos durante a suspensão do contrato
Luiza definiu como um alívio que as empregadas não fiquem sem recursos durante a suspensão do contrato |  Foto: Divulgação
A presidente da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad), Luiza Batista, reafirmou que a situação é preocupante. “Está assim no Brasil todo, infelizmente.

E, neste momento, aquelas que ainda podem estar com o contrato suspenso, não estão sem recursos financeiros, o que é um alívio”, destacou.

Em todo o Brasil, a estimativa é de que 347 mil domésticas fizeram acordo de suspensão de contrato ou redução de jornada de trabalho, segundo Mario Avelino, presidente do Instituto Doméstica Legal. “Muitos empregadores também perderam suas rendas e fizeram isso para economizar. A opção seria demitir, mas surgiu essa alternativa do governo”, destacou.

Redução de salário é alternativa

Os empregadores que optaram por suspender os contratos de suas trabalhadoras domésticas por até 60 dias podem utilizar mais um mês com redução de jornada e salário, segundo o Ministério da Economia. Os cortes podem variar entre 25%, 50% e 70%.

O governo federal paga um complemento, como contrapartida. “Se ele usou abril e maio como suspensão, em junho ele pode usar a redução da carga horária. Depois disso, ele pode antecipar férias. São alternativas para não precisar demitir. Mas temos sim um cenário de demissão a partir de agosto”, explicou Mario Avelino, presidente do Instituto Doméstica Legal.

Ele destacou ainda que o empregador pode optar por demitir a empregada sem respeitar o período de estabilidade determinado pelo governo, mas que, para isso, terá que pagar uma indenização.

“Ele pode até demitir, mas terá que pagar. Se a empregada ficou dois meses com o contrato suspenso, ele terá que pagar os dois meses de estabilidade como indenização. Então isso não compensa”. A utilização da redução da jornada deve ser feita no site https://servicos.mte.gov.br/bem/.

Instituto cobra prorrogação dos acordos já realizados

Mario Avelino: pedido ao governo
Mario Avelino: pedido ao governo |  Foto: Divulgação
A prorrogação do programa de suspensão de contratos de trabalho ou a redução da jornada com corte de salários seria importante, na visão do presidente do Instituto Doméstica Legal, Mario Avelino.

A medida provisória que instituiu o programa foi aprovada na Câmara e prevê que o governo possa aumentar o tempo por decreto.

“A empregada ganha com a suspensão, ela vai continuar recebendo e vai poder ficar em casa. Com o emprego garantido. É uma medida que visa diminuir o desemprego, evitar demissão”, destacou.

O conselheiro do Conselho Regional de Contabilidade do Estado (CRC-ES), Rodrigo Sangali, destacou que a prorrogação é essencial para aumentar a estabilidade dos trabalhadores domésticos.

“Para aqueles que ainda estão com seus negócios parados, seria bom a prorrogação. Até mesmo para a própria doméstica, porque, se prorroga por mais 60 dias, ela terá no total quatro meses de estabilidade. Ela chega até dezembro e até lá a gente espera que as coisas melhorem”, explicou.

A presidente da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad), Luiza Batista, afirmou que acredita que o prazo do programa será prorrogado pelo governo. “Acredito que vai ser sim prorrogado. E isso vai ser bom para as empregadas domésticas, é mais um tempo de alívio. Permite ainda que fiquem em casa, cuidando de suas famílias”, disse.

Entenda

Dez mil já perderam emprego no Estado

Mais de 10 mil demissões

  • Segundo o Sindicato das Empregadas Domésticas do Espírito Santo (Sindoméstico-ES), o Estado conta com 236 mil profissionais entre aqueles com carteira assinada e informais. Desses, mais de 10 mil já perderam seus postos de trabalho.
  • Uma parte que não foi demitida está com o contrato suspenso ou a jornada de trabalho reduzida desde abril. O sindicato aponta que 7 mil empregadas se encaixam nessas modalidades e que vão voltar a trabalhar nos próximos dias, quando acabar o prazo estabelecido em lei.
  • Os trabalhadores que têm seus contratos suspensos ou a jornada de trabalho reduzida, ganham estabilidade pelo mesmo tempo que participaram do programa.
  • O sindicato prevê que, a partir de agosto, uma onda de demissões pode ocorrer com esses 7 mil trabalhadores, que é o prazo que termina a estabilidade para a maioria.
  • O trabalhador que quiser demitir a empregada doméstica sem respeitar a estabilidade, terá de pagar uma indenização que vai variar de acordo com a quantidade de meses que falta para a estabilidade acabar.
  • O empregador, que ainda não faz a suspensão do contrato de trabalho ou a redução da jornada, pode fazer até o final de julho.

Suspensão

  • É possível suspender por até 60 dias o contrato de trabalho. O empregado será compensado pelo auxílio-desemprego, que chega a R$ 1.813, sem custo para o empregador.

Redução

  • O salário e a jornada de trabalho serão reduzidos em 70%, 50% ou 25% por até 90 dias. O empregado receberá do empregador salário proporcional, com direito a complemento por parte do governo.

Fonte: Ministério da Economia, Instituto Doméstica Legal e Sindoméstico-ES.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS