X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Redução da prestação da casa própria para 112 mil famílias

| 24/10/2020 20:03 h | Atualizado em 24/10/2020, 20:40

As taxas de juros para a compra da casa própria caíram para um patamar recorde, e quem paga financiamento do imóvel com juros antigos tem a possibilidade de fazer a portabilidade do crédito e passar a pagar menos.

Pelo menos 112 mil mutuários no Estado podem optar pela transação, que nada mais é que uma troca de banco, ou seja, levar a dívida para outra instituição bancária, que apresente condições mais favoráveis, incluindo juros menores.

O presidente do Conselho Consultivo da Associação dos Representantes dos Bancos do Estado (Arbes), Jorge Eloy Domingues, informou o número de clientes que podem optar pela portabilidade no Estado. Ele afirma que pouca gente ainda opta pela transação.

“ O número é baixo porque é algo pouco divulgado. Muita gente acaba não sabendo que isso é possível e deixa de economizar”, frisou.

A transferência do financiamento para um banco com taxas mais atrativas pode reduzir o valor das prestações em até 39%, conforme cálculo realizado pelo economista Marcelo Loyola Fraga. Ele explica a seguir a simulação.

“Supondo um financiamento iniciado em 2010, de R$ 100 mil, para um imóvel no valor total de R$ 125 mil a ser pago em 25 anos. Nessa época, a taxa de juros era de 11%. Ao optar pela portabilidade para a Caixa Econômica Federal, que hoje tem taxas de juros de 6,25%, o cliente teria uma economia de R$ 601 por mês, uma economia de R$ 124.500 em 15 anos.”

Para solicitar a portabilidade, é preciso observar as taxas de juros aplicadas no banco atual e verificar se elas são maiores que as de outro.

Caso sejam, o ideal é procurar o próprio banco para tentar renegociar. Mas, se o banco se recusar, o cliente então deve ir a outra instituição com taxas menores e apresentar sua dívida. Ele receberá uma proposta, com juros menores, e poderá pedir a portabilidade. O novo banco cuidará dos trâmites necessários, segundo os especialistas.

O economista Ricardo Paixão alerta que é preciso analisar e simular antes de realizar a transferência. “É preciso observar bem antes da mudança, porque pode ser preciso pagar taxas extras, que encarecem a portabilidade”, alertou.

Edilaine dos Santos Silva
Edilaine dos Santos Silva |  Foto: Kadidja Fernandes/AT

"Não custa conversar a respeito"

A cuidadora Edilaine dos Santos Silva, 34, comprou um apartamento de forma financiada em Jardim Limoeiro, na Serra, este ano, mas ficou interessada na hipótese de reduzir a sua taxa de juros atual, ao saber da possibilidade.

Ela contou que não sabia da oportunidade, mas que agora vai pensar a respeito e buscar saber se poderia reduzir sua atual parcela.

“É uma hipótese interessante. Irei pesquisar mais a respeito e analisar se vale a pena no meu caso. Creio que, para quem comprou há mais tempo do que eu, deve valer ainda mais a pena, mas, no meu caso, não custa nada conversar com especialistas e conferir se é possível economizar de alguma forma.”

Ela acrescentou que a possibilidade de portabilidade deveria ser mais divulgada, já que poucas pessoas acabam sabendo a respeito.

Procura pela portabilidade cresce 625% este ano

O número de pessoas que procurou a portabilidade deu um grande salto em relação a 2019, de acordo com o Banco Central. Enquanto no ano anterior foram 1.200 operações até julho, este ano, no mesmo período, foram 8.700, ou seja, um aumento de 625%.

O número de pedidos, no entanto, foi ainda maior: foram 26,5 mil solicitações de janeiro a julho. No mesmo período, o saldo portado (a soma dos valores financiados) atingiu R$ 3 bilhões.

Em nota técnica, o Banco Central informou que o contexto atual de juros, associado à entrada de novos participantes, contribui para a melhoria das condições de oferta de crédito, tanto para novas operações quanto para a portabilidade.

A crise financeira, na avaliação da entidade, também foi determinante para alavancar a demanda e a oferta de portabilidade de crédito neste ano.

Com menos encargos financeiros, os financiamentos se tornam mais acessíveis, e sob a ótica dos bancos, o crédito imobiliário se torna uma forma de estabelecer uma relação de longo prazo com bons clientes.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS