X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Privatização do porto valoriza áreas em Vitória e Vila Velha

Processo iniciado pelo governo federal fez crescer a procura por terrenos no entorno. Corretores de imóveis estão na expectativa

Greg Poloni, do jornal A Tribuna | 03/08/2022 17:02 h

Vitória vista de Argolas, região portuária canela-verde: prefeitura local quer mudar nome para Porto de Vila Velha
Vitória vista de Argolas, região portuária canela-verde: prefeitura local quer mudar nome para Porto de Vila Velha |  Foto: Douglas Schneider/AT
 

Os investidores estão de olho nos terrenos no entorno do complexo portuário de Vitória, desde o anúncio da privatização da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa). 

A companhia tem cerca da metade das suas áreas ao redor do complexo ociosas, o que agora, com a privatização, começa a atrair investidores de olho no crescimento do setor no Estado.

Cerca de 93% da área portuária da Codesa fica em Vila Velha, segundo o secretário de desenvolvimento econômico do município, Everaldo Colodetti. “O prefeito até pretende brigar para que o nome passe a se chamar 'Porto de Vila Velha' em vez de 'Porto de Vitória', o que faz mais sentido pela área ocupada”, comenta Colodetti.

A região está atraindo muitas empresas de logística, segundo ele, e a privatização do porto deve aumentar a procura de  investidores por áreas próximas para instalarem suas empresas, o que deve valorizar ainda mais o local.

Já há grandes empresas se instalando no entorno, relatou o secretário, ao afirmar que a região, além do contato com o porto, está próxima de vias de acesso como a avenida Carlos Lindenberg e a rodovia Darly Santos, o que facilita o escoamento de produtos, dando a mobilidade necessária para grandes operações.

“A expectativa é de que esses investimentos levem o município a terminar o ano com mais de  15 mil empregos diretos criados neste ano, superando a marca de 6 mil empregos do ano passado”, enfatizou o secretário.

A corretora de imóveis Nilma Martins disse ser grande a expectativa dos profissionais do setor com a venda da Codesa, e que já é possível observar uma movimentação grande de investidores procurando por áreas e imóveis na região.

“É promissor (o processo de privatização). Acho que a tendência é ter muitos investimentos, tanto em Vila Velha quanto em Vitória, vindo de gente de fora, estrangeiros procurando”, explica Nilma.

Valorização

Segundo reportagem publicada por A Tribuna no dia 11 de março, as cidades de Vitória e Vila Velha estão entre os cinco municípios do País com os maiores índices de valorização imobiliária, de acordo com o CEO da Imobi Group, Thiago Abreu.

Atração de empresas e empregos

Outras áreas do município de Vila Velha também atraem os olhos de investidores, como os bairros da região 5, a Grande Jucu, que abrange os bairros de Barra do Jucu, Interlagos, Terra Vermelha, Santa Paula, Ponta da Fruta, entre outros. 

O secretário de desenvolvimento econômico do município Everaldo Colodetti diz que é esperado a criação de mil empregos diretos com a chegada de dois grupos de supermercados varejistas que irão construir na região.

Trecho da ES-388: investimento
Trecho da ES-388: investimento |  Foto: Fábio Nunes — 13/12/2019
 

A  rodovia ES-388, que liga a BR 101 com a Rodovia do Sol cortando a cidade é outro destaque que está atraindo o interesse de grandes empresas, de acordo com o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Espírito Santo (Sinduscon-ES), Douglas Vaz.

Ele aponta que a região de Xuri está estruturada para receber empresas e indústrias de grande porte, e que isso, aliado ao fato de facilidade de locomoção e escoamento de produção por meio de todas as rodovias que cortam o local, deve atrair cada vez mais investidores, valorizando muito as áreas e empreendimento da região.

Governo federal prevê criação de mais 15 mil vagas

A privatização da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) deve criar 15 mil empregos diretos e indiretos no Estado, de acordo com dados do Governo Federal.

A previsão inicial é de R$ 334,8 milhões em investimentos privados, além de cerca de  R$ 1 bilhão para despesas operacionais.

O contrato de concessão negociado é de  35 anos, podendo ser prorrogado por mais cinco anos. Ele  contempla a administração do porto e a exploração indireta das instalações dos portos de Vitória e Barra do Riacho.

Cris Samorini: requalificação
Cris Samorini: requalificação |  Foto: Divulgação
   

Cris Samorini, presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), comentou  sobre o impacto da privatização da companhia.

“O Porto de Vitória, requalificado em seus acessos rodoviários, ferroviários e marítimos, tem o potencial de cumprir um importantíssimo papel na atração de oportunidades de novos empreendimentos ao Estado, bem como da ampliação da atividade produtiva já existente e do volume de exportações”, explica Cris.  

Ela também comenta que o Porto de Barra do Riacho, que faz parte do complexo privatizado, é anunciado como promissor, por possuir todas as    características necessárias para assumir a posição de ser um dos complexos industriais mais importantes do país, e  que isso traria mais dinamismo e competitividade para o Estado.

Saiba mais

Investimentos na privatização 

- O contrato de venda da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa)deve ser assinado até o próximo dia 23.

- O contrato estipula a concessão do complexo portuário e a exploração indireta das instalações dos portos de Vitória e Barra do Riacho, por  35 anos, prorrogável por mais cinco anos

- A previsão é que sejam investidos mais de R$ 1 bilhão em despesas operacionais e R$ 334,8 milhões  em investimentos privados 

- A criação de 15 mil empregos diretos e indiretos é esperada com a privatização

Áreas valorizadas

- A privatização da Codesa fez os investidores voltarem suas atenções para  as áreas no entorno do complexo portuário

- A procura por imóveis e locais para construção em Vila Velha aumentou, o que está valorizando as áreas no entorno, com procura até mesmo de investidores estrangeiros

- Do lado de vitória, a prefeitura espera que a nova administração da companhia converse com a gestão, que tem interesse nos galpões  do Centro para dar continuidade no projeto de revitalização da região, já que não são exclusivos para atividade portuária, de acordo com o secretário de Desenvolvimento da Cidade e Habitação Marcelo Oliveira.  

Fonte: Prefeitura de Vitória e Prefeitura de Vila Velha

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS