X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Poupança passa a dar prejuízo

| 13/12/2019 14:13 h | Atualizado em 14/12/2019, 12:09

Com redução da taxa Selic, a poupança passou a dar prejuízo aos poupadores
Com redução da taxa Selic, a poupança passou a dar prejuízo aos poupadores |  Foto: Divulgação

Aplicação financeira mais tradicional do País, a poupança existe desde 1861. Mas, para quem tem o dinheiro “guardado” nessa modalidade de investimento, com a taxa básica de juros, a Selic, chegando aos menores índices históricos, 4,5% ao ano, o rendimento será abaixo da inflação.

Isso significa que quem decidir manter o dinheiro na poupança vai continuar sim tendo um aumento pequeno daquele valor depositado. O poder de compra, porém, será reduzido, porque o rendimento não será suficiente nem para cobrir a inflação anual.

A rentabilidade atual da poupança é de 3,15% ao ano, com a taxa Selic em 4,5% ao ano, enquanto a inflação projetada para 2019 é de 3,84%. Para 2020, a expectativa, segundo o boletim Focus, é de que a inflação seja de 3,6% e a Selic caia ainda mais, ficando em 4,25%.

A Associação dos Representantes dos Bancos do Estado (Arbes) informa que são mais de 2 milhões pessoas no Estado que têm algum dinheiro guardado na poupança.

Para especialistas, esse cenário de juros baixos veio para ficar. Ou seja: juros altos com ganhos garantidos na renda fixa são coisa do passado.

“Com a Selic baixa, não só a poupança deixa de ser atrativa, como também outros produtos de renda fixa, como fundos de investimento, que acabam oferecendo rentabilidade muito parecida com a da poupança”, avaliou o economista Eduardo Araújo.

José Márcio de Barros, por sua vez, lembra que quem tem a poupança antiga, anterior a 2012, quando mudou a rentabilidade da caderneta, não deve mexer nesse dinheiro. Os demais devem buscar novos caminhos.

“A maioria das pessoas já estão direcionando os investimentos para fundos multimercados, fundo de ações e a Bolsa”, ressaltou.

Quem deseja buscar outras alternativas de investimento pode procurar os próprios bancos para tirar dúvidas, corretoras de investimento, ou o próprio site do Tesouro Nacional, por exemplo. "Procurar assessoria especializada para ajudar o investidor a ter retorno do patrimônio almejado ao longo do tempo", aconselha Bernardo Dietze, da Golden Investimentos. O sócio dele, Silvio Aride, lembra que as modalidades variam de acordo com o perfil do investidor. 

O professor e economista Mario Vasconcelos não acredita que, no curto prazo, o governo federal tome alguma medida com relação à poupança. “São os pequenos investidores que investem nessa modalidade”, disse.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS