X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Petróleo atinge menor valor desde a guerra, e Bolsa cai 1,8%

As ações mais negociadas da Petrobras caíram 2,69%

Clayton Castelani, Da Agência Folhapress | 14/07/2022 21:20 h

Imagem ilustrativa da imagem Petróleo atinge menor valor desde a guerra, e Bolsa cai 1,8%
 

O petróleo atingiu seu menor valor nesta quinta-feira (14) desde a eclosão da Guerra da Ucrânia. O barril de Brent chegou a ficar abaixo dos US$ 95 (R$ 518). Houve recuperação no final da tarde, e a commodity caminhava para encerrar o dia perto da estabilidade (alta de 0,17%), cotada a US$ 99,74 (R$ 544,20).

A invasão comandada pelo presidente russo, Vladimir Putin, levou a uma disparada do petróleo no começo do ano, que chegou a ficar acima dos US$ 130 à medida em que países impunham sanções ao país, um dos maiores exportadores mundiais da commodity.

O movimento de queda, agora, ocorre na esteira de temores de uma inflação global e seu impacto sobre a demanda.

"Commodities são o seu melhor indicador econômico, e o que elas estão dizendo é que há sofrimento à vista para a economia", afirmou o especialista em petróleo Stephen Schork ao Financial Times.

O tombo desta quinta ocorre um dia após a inflação nos Estados Unidos ter renovado a maior alta em quatro décadas, o que levou os mercados a apostar que o Fed (Federal Reserve, o banco central americano) promoverá uma alta de juros ainda mais agressiva do que a esperada.

O aperto ao crédito tem o objetivo de frear a alta de preços na principal economia do planeta, mas o efeito colateral poderá ser uma recessão mundial.

Esse cenário leva investidores a estimarem quedas da atividade industrial, no consumo e na arrecadação de impostos. É uma percepção que provoca desvalorização generalizada das ações de empresas e depreciação das matérias-primas como o petróleo.

O contexto de maior aperto monetário dos EUA e temor de uma recessão global é adverso para mercados emergentes, com grande dependência de commodities, como o brasileiro.

A Bolsa de Valores brasileira caiu nesta quinta à sua pontuação mínima em 20 meses. Com perda de 1,80% no dia, o índice de referência Ibovespa mergulhou aos 96.212 pontos, seu menor patamar desde 3 de novembro de 2020.

Parte considerável da baixa no mercado de ações no Brasil foi provocada justamente pelo tombo do setor de commodities, com destaque para o afundamento de quase 7% dos contratos futuros de minério de ferro no fim desta tarde. A mineradora Vale despencou 6,66%.

As ações mais negociadas da Petrobras caíram 2,69%.

Em busca de segurança, investidores procuraram ativos ligados ao dólar. Houve valorização global da moeda americana, segundo o indicador da Bloomberg.

No Brasil, o dólar subiu 0,51%, aos R$ 5,4320. Durante o pregão, chegou a ser cotado a R$ 5,49, na máxima do dia.

Nos Estados Unidos, a largada da temporada de balanços ajudou o mercado de ações de Nova York a sair das mínimas registradas ao longo do dia. Ainda assim, o indicador de referência S&P 500 registrou baixa de 0,30%. O Dow Jones, que acompanha companhias de grande valor, perdeu 0,46%.

Na contramão, o setor de tecnologia representado pelo índice Nasdaq apresentou ligeira alta de 0,03%.

Além de observarem o exterior, investidores do mercado brasileiro também pesaram a aprovação da PEC (proposta de emenda à Constituição) que amplia benefícios sociais em ano eleitoral.

Ao ampliar gastos diante de um cenário de inflação mundial e risco de recessão, a medida poderá criar obstáculos à execução do Orçamento em 2023, considerando um cenário de perda de arrecadação.

Um indicador que reflete a desconfiança no Brasil é o chamado risco-país, medido pelo CDS, o Credit Default Swap, um tipo de contrato que protege investidores contra calotes.

Os contratos de CDS para cinco anos renovaram nova máxima nesta quinta e atingiram os 329 pontos. É a maior alta desde maio de 2020, quando a percepção de risco disparou devido ao início da pandemia.

Apesar dos temores para o horizonte mais distante, Rodrigo Marcatti, economista e presidente da Veedha Investimentos, destaca algumas oportunidades de curto prazo proporcionadas pela PEC.

Setores muito descontados, como o varejo, podem ser beneficiados no curto prazo, segundo o economista.

"Há ações no varejo com quase 90% de queda em um ano e uma correção seria natural", disse. "O [aumento no] Auxílio Brasil e o alívio no custo da energia vão chegar diretamente à população mais endividada. Isso poderá ajudar o varejo", comentou.

Na quarta-feira (13), os mercados tiveram um dia de volatilidade provocada pelo novo salto da inflação dos Estados Unidos.

O índice de preços ao consumidor urbano nos Estados Unidos alcançou o recorde de 9,1%, no acumulado em 12 meses até junho. Este foi o maior avanço desde novembro de 1981.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS