Login

Atualize seus dados

ECONOMIA

Nova variante da Covid derruba bolsas, petróleo e criptomoedas

Ibovespa, índice de referência para a Bolsa de Valores brasileira, chegou a recuar a 3,64%, na manhã desta sexta-feira (26)

26/11/2021 13:09:31 min. de leitura

Imagem ilustrativa da imagem Nova variante da Covid derruba bolsas, petróleo e criptomoedas
Nova variante da Covid derruba bolsas, petróleo e criptomoedas Foto: Canva
 

O temor de uma nova variante do coronavírus possivelmente resistente a vacinas vem derrubando as bolsas no mundo ao longo desta sexta (26) com a fuga de ativos arriscados.

Às 11h58, o Ibovespa, índice de referência para a Bolsa de Valores brasileira, recuava 3,64%, a 101.957. O dólar comercial avançava 0,61%, a R$ 5,5990. Na máxima do dia, a divisa chegou a saltar 1,38%, a R$ 5,6424.

As commodities mais importantes para o mercado brasileiro também sofriam o impacto, com destaque para a forte queda do petróleo. O barril do Brent recuava 5,25%, a US$ 77,90 (R$ 427,03). Os contratos futuros de minério de ferro desabaram 4,87%.

Nos Estados Unidos, os índices Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq caíam 2,55%, 1,37% e 1,32%, respectivamente.

O mercado de criptomoedas operava em baixa. O bitcoin afundava 7,73%, a US$ 54.633,05 (R$ 304.491,84).

"O pânico impõe cautela no meio dos investidores, que, temerosos pelo avanço da nova variante do vírus mundo afora, se afastam do risco e se refugiam nos ativos que representam segurança", escreveu Ricardo Gomes da Silva, superintendente da Correparti Corretora.

Na Ásia, o mercado de ações em Tóquio caiu 2,53%. A Bolsa de Hong Kong cedeu 2,67%. O índice CSI300 (Xangai e Shenzhen) recuou 0,74%.

O mercado acionário europeu caminhava para a pior sessão em mais de um ano. As bolsa de Londres, Paris e Frankfurt recuavam 2,97%, 3,77% e 3,10%.

O Stoxx 600 chegou a cair 3,6% mais cedo na sessão, enquanto a medida de volatilidade do principal mercado acionário atingiu máxima em quase dez meses.

Pouco se sabe sobre a variante, detectada na África do Sul, em Botswana e em Hong Kong, mas cientistas dizem que ela tem uma combinação atípica de mutações, que pode ser capaz de evitar respostas imunológicas e que seria mais transmissível.

O mercado acionário europeu já estava sob estresse nesta semana uma vez que o ressurgimento de casos de Covid-19 levou a novas restrições em vários países.

As ações da fabricante de avião Airbus, da operadora de shopping centers Unibail e da Safran caíam cerca de 10% cada.

As ações de viagem e lazer tinham queda de 3,9% depois de chegarem a despencar 7% quando o Reino Unido anunciou proibição temporária a voos da África do Sul e de vários países vizinhos. A União Europeia também planeja movimento similar.

As ações da China fecharam em baixa nesta sexta, refletindo a preocupação com a nova variante e os casos domésticos de Covid.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, teve queda de 0,74%, enquanto o índice de Xangai caiu 0,56%.

Na semana, o CSI300 perdeu 0,6%, mas o índice de Xangai teve ganho de 0,1%.

Uma série de casos locais de Covid-19 em algumas partes da China levou a cidade de Xangai a limitar as atividades turísticas e uma cidade próxima a cortar serviços de transporte público.

Isso derrubou as ações de turismo e as de consumo básico em 1,8% e 0,8%, respectivamente.

As ações relacionadas a semicondutores e de energia lideraram as perdas. Os subíndice imobiliário, de energia e de semicondutores caíram entre 1,2% e 2,8%.

Os futuros dos índices acionários dos Estados Unidos também caíam nesta sexta, com ações ligadas a viagens, bancos e commodities sofrendo o maior impacto.

As ações das principais operadoras aéreas caíam entre 5% e 6% antes da abertura do mercado, depois que a nova variante detectada na África do Sul levou a União Europeia, o Reino Unido e a Índia, entre outros, a anunciar controles mais rígidos de fronteira.

Bank of America Corp, Citigroup Inc, JPMorgan Chase & Co, Goldman Sachs, Wells Fargo & Co e Morgan Stanley caíam entre 3% e 4% uma vez que operadores reduziam suas apostas recentes em altas dos juros.

Os e-minis do Dow caíam 2,3% e os do S&P 500 recuavam 1,86%. Os e-minis do Nasdaq 100 tinham queda de 1,2%.