X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Inflação alcança 0,96% em julho, maior resultado para o mês desde 2002

| 10/08/2021 11:25 h

A inflação oficial do país, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), voltou a acelerar e registrou variação de 0,96% em julho. É a maior marca para o período desde 2002, quando o índice foi de 1,19%.

O resultado ocorreu após avanço de 0,53% no mês anterior, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta terça-feira (10).

Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam variação de 0,95% em julho.

Com o resultado, o IPCA chegou a 8,99% no acumulado de 12 meses. Isso significa que ampliou a distância em relação ao teto da meta de inflação perseguida pelo BC (Banco Central) neste ano. No acumulado até junho, a variação do IPCA estava em 8,35%.

O teto da meta de inflação em 2021 é de 5,25%. O centro é de 3,75%.

A escalada do IPCA ganhou corpo ao longo da pandemia. Em um primeiro momento, houve disparada de preços de alimentos e, em seguida, avanço de combustíveis. Alta do dólar, estoques menores e avanço das commodities ajudam a explicar o comportamento dos preços.

Imagem ilustrativa da imagem Inflação alcança 0,96% em julho, maior resultado para o mês desde 2002

Não bastasse essa combinação, a crise hídrica também passou a ameaçar o controle da inflação. É que a escassez de chuvas eleva os custos de geração de energia elétrica. O reflexo é a luz mais cara nos lares dos brasileiros.

Em julho, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) promoveu novo reajuste nas contas de energia. Além de pesar no orçamento das famílias, a alta nas tarifas também eleva os custos de operação de empresas, que podem repassar parte do impacto para produtos e serviços. A situação ocorre no momento em que o consumo é desafiado pelo aumento do desemprego no Brasil.

Em uma tentativa de frear a inflação, o Copom (Comitê de Política Monetária do BC) voltou a subir a taxa básica de juros (Selic) no último dia 4. Na ocasião, confirmou alta de 1 ponto percentual na Selic, para 5,25% ao ano. Foi a maior elevação em 18 anos.

Devido ao comportamento dos preços, analistas do mercado financeiro ouvidos pelo BC vêm subindo suas projeções para a inflação. A estimativa mais recente que aparece no boletim Focus indica IPCA de 6,88% ao final de 2021. Ou seja, acima do teto da meta. A edição mais recente do Focus foi publicada pelo BC na segunda-feira (9).

De acordo com estudo divulgado pelo Itaú Unibanco na semana passada, a inflação no mundo foi puxada, até junho, por commodities e gargalos de produção, que provocam escassez de insumos especialmente na indústria automobilística.

O Itaú sinaliza que, até o momento, a pressão nos preços causada pela reabertura da economia é sentida com maior força apenas em países que saíram na frente no processo de vacinação contra a Covid-19. O destaque, nesse caso, fica com os Estados Unidos.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS