X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Governo vai tentar barrar fim da taxa de marinha

O teor da PEC também é atacado por ambientalistas, que veem ameaça à biodiversidade local

Agência Folhapres | 23/02/2022 11:37 h

Plenário da Câmara dos Deputados, onde foi votado o projeto
Plenário da Câmara dos Deputados, onde foi votado o projeto |  Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil
 

A Câmara dos Deputados aprovou em dois turnos nesta terça-feira (22) uma PEC (proposta de emenda à Constituição) que transfere terrenos de marinha em áreas urbanas da União para estados e municípios ou para proprietários privados, em texto criticado por integrantes do governo pelo risco de privatizar o litoral brasileiro e abrir brechas para grilagem.

O teor da PEC também é atacado por ambientalistas, que veem ameaça à biodiversidade local. A classe entende que o texto abre margem à criação de praias privadas.

O texto foi aprovado em primeiro turno por 377 votos a 93 -precisava de pelo menos 308 votos. No segundo turno, recebeu 389 votos a favor e 91 contrários. Agora, o texto segue ao Senado, onde precisará de pelo menos 49 votos, também em dois turnos.

O governo já articula uma peregrinação no Senado na tentativa de barrar o avanço da proposta, descrita por técnicos como absurda.

A votação foi cercada por controvérsias, com a oposição argumentando que os terrenos abrangidos pela proposta eram de proteção à biodiversidade, e ocorre no momento em que a Câmara se articula para votar a liberação dos jogos de azar. Defensores da liberação têm a expectativa de turbinar essa atividade, sobretudo em cassinos ou resorts.

A PEC mantém sob domínio da União áreas usadas pelo serviço público federal, unidades ambientais federais e terrenos não ocupados. No entanto, autoriza transferir a estados e municípios áreas usadas pelos serviços públicos estadual e municipal.

Proprietários e ocupantes de imóveis inscritos junto ao órgão de gestão do patrimônio da União ou não inscritos, mas que tenham ocupado o local pelo menos cinco anos antes da publicação da emenda constitucional, também são abrangidos pelo texto.

Estados como Santa Catarina, Maranhão e Pernambuco, assim como outros localizados no litoral, tinham interesse na aprovação do texto, visto como oportunidade de resolver conflitos judiciais.

A PEC prevê que a União fará a cessão onerosa dessas áreas, ou seja, seus ocupantes serão obrigados a comprar o terreno. A medida é considerada de alto risco por diversas razões.

Em primeiro lugar, o texto dá um prazo de até dois anos para que a compra seja concretizada pelos ocupantes, à exceção de áreas ocupadas com função social -vilas de pescadores, comunidades quilombolas, por exemplo-, estados, municípios e concessionárias, casos em que a transferência seria gratuita.

Além de impor custos aos ocupantes privados das áreas, a PEC não traz nenhuma previsão para o caso de o pagamento não ser efetivado, o que pode gerar insegurança jurídica.

Há quem veja risco de a União perder receitas, pois os atuais ocupantes poderão alegar que o governo perdeu o prazo para efetuar a cobrança. Neste caso, os técnicos afirmam que seria a "maior transferência de renda da história", uma vez que o valor das áreas envolvidas pode chegar a R$ 1 trilhão. Os beneficiários tendem a ser pessoas de alta renda, que ocupam terrenos à beira-mar.

Em segundo lugar, os técnicos alertam que, ao permitir a cessão de áreas a ocupantes não inscritos no cadastro da União, a PEC abre brecha para a prática de grilagem -quando há ocupação irregular de terras públicas por meio de uso de escrituras falsas. O risco é surgirem grandes quantidades de escrituras reivindicando direitos sobre terrenos hoje da União.

Segundo fontes do governo, a proposta contraria diversos ministérios. A pasta da Infraestrutura, por exemplo, apontou uma série de riscos para o setor portuário, que pode se ver obrigado a comprar as áreas que ocupam hoje, com custos que podem comprometer seu fluxo de caixa.

O terminal da mineradora Vale no Porto de Tubarão, por exemplo, está instalado em mais de 1 milhão de metros quadrados de terrenos de marinha. Já o terminal da Arcelor Mittal, vizinho ao da Vale, tem 890 mil metros quadrados em terrenos de marinha.

Pela PEC, as companhias teriam que pagar cifras bilionárias à União para executar a compra forçada, o que poderia comprometer o fluxo de caixa das empresas, ou ainda gerar disputa por desapropriação em caso de não pagamento.

Além disso, a União corre o risco de perder áreas portuárias para estados e municípios após o fim dos contratos de delegação do serviço a um operador.

A PEC também proíbe a cobrança de foro e taxa de ocupação das áreas, assim como do laudêmio -5% do imóvel- sobre as transferências de domínio.

Antes da votação, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), havia qualificado o fim da cobrança como um avanço. "Porque não tem lógica de você permanecer com cobranças de laudêmio. E não é só o caso de Petrópolis. É do Brasil todo", disse.

"Fora de uma realidade, com uma subjetividade absurda. Então, a União terá ganhos com isso e a população também. A desburocratização ajuda no aspecto da aprovação dessa PEC."

Para o deputado Rodrigo Agostinho (PSB-SP), o texto abre brechas para a privatização de praias. "As áreas litorâneas (praias, restingas, manguezais, ilhas,...) e algumas áreas em rios navegáveis são consideradas terrenos da Marinha, ou seja da União. Em muitas cidades essas áreas foram ocupadas e o governo cobra tributos", disse.

"O problema é que muitas dessas áreas são muito sensíveis ambientalmente. São áreas sujeitas a inundações ou que possuem biodiversidade. Agora, por exemplo, uma praia poderá ser privada, algo que não existe no Brasil."

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS