X

Olá! Você atingiu o número máximo de leituras de nossas matérias especiais.

Para ganhar 90 dias de acesso gratuito para ler nosso conteúdo premium, basta preencher os campos abaixo.

Já possui conta?

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Pernambuco
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo
Espírito Santo
arrow-icon
  • gps-icon Pernambuco
  • gps-icon Espírito Santo

Economia

Governo quer destinar prédio do antigo Iapi em Vitória para moradias populares

Informação foi divulgada nesta segunda-feira (24)


O prédio Getúlio Vargas, que fica na Praça Costa Pereira, no Centro de Vitória, está perto de ser destinado a um programa de moradias populares do Governo Federal. O edifício também é conhecido por ter sido sede do Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários (IAPI). A informação foi divulgada pelo Jornal O Globo, na manhã desta segunda-feira (24).

LEIA TAMBÉM

Prédio que ia virar moradia de 106 famílias fica fechado

De acordo com a publicação, o governo Lula mapeou cerca de 500 bens da União, entre prédios, terrenos e galpões. Destes, a maioria está abandonada ou ocupada por movimentos sociais. Entre os planos está destinar as edificações a moradias populares, saúde pública, educação, atividades esportivas e culturais.

A ação faz parte do programa Democratização dos Imóveis da União, que ainda está sendo desenhado pelo Ministério de Gestão. A meta é entregar esses ativos a prefeituras, famílias de baixa renda ou ao setor privado até o fim do mandato do presidente Lula, em 2026.

A sede do Iapi já foi centro de alguns impasses entre a entidade que estava responsável pelo edifício, a Associação Habitacional Comunitária do Espírito Santo (Ahabitaes), e a Superintendência de Patrimônio da União (SPU).

Em 2019, tinha sido anunciado que o edifício viraria moradia para 106 famílias de baixa renda, mas, em 2021 precisou ser devolvido à União e ficou sem destino, até então. Na época, o Jornal A Tribuna publicou uma matéria sobre o caso e a representante da Ahabitaes, Maria da Penha de Souza, conversou com a reportagem.

De acordo com ela, o projeto, a licença para iniciar as obras e o alvará do Corpo de Bombeiros já estavam em dia. Porém, ela explicou que, devido a mudanças no programa do governo federal, não foi possível conseguir o financiamento junto à Caixa Econômica Federal e, com isso, o prazo com a SPU venceu.

“O projeto era do programa Minha Casa, Minha Vida, quando o contrato começou. Na mudança de governo, em 2019, ele foi encerrado e o programa mudou para o Casa Verde e Amarela. Então, perdemos o recurso desse projeto, ficamos sem o financiamento e não conseguimos concluir o processo na Caixa, além do contrato ter vencido”, explicou Maria da Penha.

Veja a lista de alguns dos imóveis mapeados pelo governo federal, por estado, publicada pelo Jornal O Globo:

Vitória

- Edifício Getúlio Vargas, de 13 andares

Rio

- Hotel dos Ingleses, na Glória

- Edifício no Santo Cristo, no Centro

- Núcleo Dona Castorina, no Jardim Botânico (são 120 famílias de baixa renda, precisa de regularização fundiária)

- Estação Ferroviária Leopoldina, no Centro

Teresópolis

- Quinta do Lebrão (precisa de regularização fundiária com infraestrutura)

São Paulo

- Terreno na Praça da República, no Centro

- Instituto Brasileiro do Café, na Mooca(quatro galpões e um terreno desocupado)

Santos

- Terreno dos Correios com armazém, desocupado

Belo Horizonte

- Prédio de sete andares do INSS, no Centro

Manaus

- Prédio de 17 andares, no Centro, ocupado por 18 famílias

Porto Alegre

- Prédio Protetora, com 17 andares

Goiânia

- Prédio de 12 pavimentos, no Centro

João Pessoa

- Edifício de seis andares, no Centro

Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Leia os termos de uso

SUGERIMOS PARA VOCÊ: