X

Olá, faça o seu cadastro para ter acesso a este conteúdo

*Você não será cobrado

Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Fila do INSS deve crescer após corte de R$ 1 bilhão, dizem especialistas

Fernando Bianchi, do jornal A Tribuna | 26/01/2022 08:23 h | Atualizado em 26/01/2022, 08:58

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que fixa o Orçamento Geral da União para o ano de 2022 e vetou um total de R$ 3,18 bilhões em recursos para diversas áreas, como Educação, Trabalho, Previdência, Cidadania e Desenvolvimento.

Só o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) conta com um veto de R$ 988 milhões. O órgão previdenciário perdeu R$ 709,8 milhões antes voltados para a administração nacional e R$ 180,6 milhões dos serviços de processamento de dados, entre outros cortes.

Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).
Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). |  Foto: Marcelo Casal Jr/Agência Brasil
 

Embora o governo não tenha detalhado o impacto previsto dos cortes na Previdência, especialistas já esperam um aumento no acúmulo de benefícios em análise, que em novembro de 2021 era de mais de 36 mil no Estado.

A diretora adjunta do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário no Estado (IBDP-ES), Renata Prado, ressaltou que os cortes podem afetar atividades administrativas do INSS, além de inviabilizar a contratação de novos servidores.

“Podemos encontrar dificuldades na realização do concurso, na realização de melhorias de automatização e de correção de sistema e ampliação de serviços”, disse a diretora adjunta.

Renata afirmou que os pedidos que dependem da análise de servidores do INSS atualmente são aqueles que mais sofrem atrasos ou erros de processamento.

Segundo o veto presidencial, foram afetadas verbas para Administração Nacional do INSS, Serviço de Processamento de Dados de Benefícios Previdenciários e a  Gestão da Melhoria Contínua, além da área de Reconhecimento de Direitos de Benefícios Previdenciários.

O advogado previdenciário Christovam Ramos destacou que os segurados mais pobres são os mais afetados pela precarização dos serviços prestados no instituto.

“O atendimento hoje é muito desgastante para os segurados, e geralmente são pessoas mais pobres, que dependem do benefício. A fila pode chegar a um ano, e o INSS é o maior distribuidor de renda do País, atende às pessoas necessitadas”, lembrou.

O Ministério do Trabalho e Previdência foi procurado para comentar possíveis impactos dos cortes orçamentários do INSS na oferta de serviços aos segurado, mas não retornou o contato até o fechamento da edição.

Consequências ao segurado

Orçamento sancionado- O presidente Jair Bolsonaro sancionou, com vetos, o Orçamento de 2022 aprovado em dezembro pelo Congresso Nacional.

- O valor total da despesa – previsto na Lei 14.303, publicada no Diário Oficial da União – é de R$ 4,73 trilhões. Deste total, R$ 1,88 trilhão tem como destino o refinanciamento da dívida pública federal.

- O resultado primário previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA) para o ano de 2022 é de deficit de R$ 79,3 bilhões.

Vetos e cortes

- O ministério do Trabalho e Previdência teve R$ 1,005 bilhão cortado do total de R$ 3,184 bilhões que havia sido aprovado pelo Congresso Nacional em dezembro.

- O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), subordinado ao Ministério do Trabalho e Previdência, perdeu R$ 988 milhões.O valor representa 98,3% de todo o corte e estava reservado para ser usado na administração, gestão e processamento de dados.

Impactos- No inss, foram vetadas verbas para várias frentes.- Administração da Unidade: R$ 709,84 milhões.- Serviço de Processamento de Dados de Benefícios Previdenciários: R$ 180,65 milhões.- Gestão da Melhoria Contínua: R$ 94,14 milhões.- Reconhecimento de Direitos de Benefícios Previdenciários: R$ 3,4 milhões.

Fila deve aumentar

- Especialistas preveem um aumento na fila de benefícios do INSS, que em novembro de 2021 contava com mais de 36 mil beneficiários aguardando liberação.

Fontes: Governo federal e especialistas.

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em nosso grupo do Telegram

MATÉRIAS RELACIONADAS