Login

Esqueci minha senha

Não tem conta? Acesse e saiba como!

Atualize seus dados

Estratégias para driblar inflação e preços altos

Escolher produtos em embalagens maiores é uma das formas que consumidores estão usando para fazer economia nas compras

Matheus Souza, do jornal A Tribuna | 17/02/2022 17:39 h

Consumidores fazem compras: cesta está mais vazia com alta nos preços
Consumidores fazem compras: cesta está mais vazia com alta nos preços |  Foto: Freepik
 

Com a inflação acumulada em janeiro chegando a 10,38%, o desemprego e as taxas de juros em alta, o consumidor está tendo que traçar estratégias para driblar os preços altos na hora das compras.

Muitos estão optando por comprar embalagens maiores de produtos de limpeza, que durem mais tempo. Outros diminuíram as idas aos supermercados, por exemplo. 

Essas são algumas das táticas dos consumidores demonstradas em um relatório da Consumer Insights, da consultoria Kantar.

Segundo o levantamento, os consumidores diminuíram o número de vezes que vão aos canais de venda (-2,1%), bem como estão levando menos produtos por compra realizada (-1,8%).

No que se refere a produtos de limpeza, a pesquisa apontou um aumento de 6% nos preços das embalagens grandes, enquanto as menores tiveram um aumento de 9%. Os valores foram analisados em um período de 12 meses. 

Essa diferença entre os aumentos por tipo de embalagem já vem sendo observada por muitos consumidores, que estão optando pelas unidades que contêm volume maior.

Para o economista e coordenador da Faculdade Pio XII, Marcelo Loyola, o consumidor deve se aliar às tecnologias para tentar economizar.

“Evite comprar tudo em um único supermercado. Eles abaixam os preços de alguns produtos como chamariz e os outros continuam no mesmo valor. Vá atrás somente das promoções. Acompanhe os estabelecimentos nas redes sociais para facilitar nas pesquisas de preço”, orienta.

Segundo a educadora financeira Lorena Milaneze, outra maneira de economizar é fazer uso de benefícios que estão à disposição.

“Às vezes, dentro do próprio cartão de crédito você tem vantagens. É hora de buscar cupons, milhas, pesquisar por clubes de compras. É preciso dar preferência para aquele cartão que te dá algum benefício”, recomenda.

O especialista em finanças pessoais Laudeir Frauches destaca ainda a importância da educação financeira nos lares.

“Muitos ignoram para onde o dinheiro está indo. A pessoa não faz um orçamento e só vai  perceber quando falta dinheiro para pagar as compras”, afirma.

Em busca de ofertas

Promoção divulgada em grupos

O porteiro Márcio Gatti, de 51 anos, faz parte de diversos grupos de WhatsApp dos supermercados. Dessa forma, ele consegue acompanhar as principais ofertas e ainda fica por dentro de promoções relâmpago.

“Não custa nada. Eles mesmos divulgam as coisas. Já aconteceu de eu ficar sabendo de uma promoção relâmpago que só foi divulgada pelo grupo. Era uma oferta de coxinha da asa de frango. Eu aproveitei e levei logo cinco pacotes”, conta.

Economia com clube

Há 10 meses fazendo parte de um clube de cupons, o líder operacional de e-commerce Vanderson Candido, 26, já economizou mais de R$ 2.000 durante as suas compras.

“Antes eu comprava bebidas no supermercado. Depois que entrei para o clube de vantagens de um app de delivery, comecei a pedir nele. É mais prático receber em casa. Poupo tempo e ainda evito aglomerações”, relata.


SAIBA MAIS


Levantamento

  • Entre janeiro e setembro de 2021 o preço médio da cesta de consumo massivo cresceu 11,8% em comparação ao mesmo período de 2020.
  • Devido ao aumento de preço, o consumidor mudou alguns dos seus hábitos de consumo.
  • Os consumidores diminuíram a frequência de idas aos supermercados e demais pontos de venda (-2,1%).
  • Também houve uma redução no número de estabelecimentos visitados por idas às compras (-1,8%).

Produtos de limpeza

  • A cesta de limpeza teve aumento de 2% em toneladas e se manteve estável (-1%) em unidades.
  • Produtos de embalagens grandes tiveram um aumento de preço de 6%.
  • Já os itens de volume menor sofreram um reajuste de 9%.
  • Com a diferença nos preços, muitas pessoas optaram pelos produtos maiores.

Perecíveis

  • Em relação aos perecíveis, o processo é inverso.
  • A categoria teve um aumento nos preços de 19%, que atingiu tanto as embalagens menores quanto as maiores.
  • Buscando economizar, as embalagens menores foram as escolhidas. 

Mercearia

  • Na cesta de mercearia doce, o consumo de embalagens grandes caiu 4%. Já as embalagens  pequenas tiveram um aumento de preço de 9%.

Fonte: Consultoria Kantar

Ficamos felizes em tê-lo como nosso leitor! Assine para continuar aproveitando nossos conteúdos exclusivos: Assinar Já é assinante? Acesse para fazer login

Quer receber as últimas notícias do Tribuna online? Entre agora em um de nossos grupos de Whatsapp

MATÉRIAS RELACIONADAS